Presidente dos Correios, general ignora demissão e diz que só sai após ordem oficial

Anne Warth, Luci Ribeiro e Vianey Bentes, especial para a AE

 Romério Cunha/VPR

General Juarez Cunha, presidente dos CorreiosImagem: Romério Cunha/VPR

Virtualmente demitido pelo presidente Jair Bolsonaro na sexta (14), num café da manhã com jornalistas, o presidente dos Correios, general da reserva Juarez Aparecido de Paula Cunha, foi trabalhar normalmente na segunda, e, em vez de limpar as gavetas, avisou para um auditório lotado que não sai até a formalização da demissão.

“Só vou sair daqui a hora que chegar oficialmente. Aí eu saio, senão, não saio, não” Juarez Aparecido de Paula Cunha, presidente dos Correios

Terminou a palestra aplaudido e vestindo boné de carteiro. O evento, fechado à imprensa, mas ao qual o jornal O Estado de S. Paulo teve acesso, foi justamente sobre o tema que causou a ira do presidente e sua decisão de demitir o general: a privatização da estatal. Aos jornalistas Bolsonaro havia dito que tinha anunciado a venda da empresa e Cunha tinha falado o oposto no Congresso, agindo como “sindicalista”.

Na véspera do anúncio da demissão, o general havia sido presenteado pela Superintendência dos Correios do Amazonas com um selo personalizado, que ostenta sua fotografia. Na imagem, Cunha aparece junto a um prédio da estatal e do Teatro Amazonas, principal cartão-postal da capital Manaus. Foram impressos 12 desses selos. Os Correios dizem que outros funcionários e personalidades já foram homenageados da mesma forma. Exemplo: o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu. Não consta que Bolsonaro tenha o seu

Aos jornalistas Bolsonaro havia dito que tinha anunciado a venda da empresa e Cunha tinha falado o oposto no Congresso, agindo como “sindicalista”. Na véspera do anúncio da demissão, o general havia sido presenteado pela Superintendência dos Correios do Amazonas com um selo personalizado, que ostenta sua fotografia. Na imagem, Cunha aparece junto a um prédio da estatal e do Teatro Amazonas, principal cartão-postal da capital Manaus. Foram impressos 12 desses selos. Os Correios dizem que outros funcionários e personalidades já foram homenageados da mesma forma. Exemplo: o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu. Não consta que Bolsonaro tenha o seu.

Reprodução/Estadão Conteúdo

Selo com a imagem do general Juarez Cunha, presidente dos Correios Imagem: Reprodução/Estadão Conteúdo

O evento em que o general disse que só sai depois da formalização da demissão ocorreu na tarde de ontem. Horas depois, à noite, o porta-voz da Presidência, o também general Otávio do Rêgo Barros, afirmou que o presidente ainda não decidiu quando vai efetivar a demissão nem nomear o substituto do general.

Na apresentação desta segunda, o general insistiu no tema privatização. Disse que a decisão sobre a venda do controle da empresa é uma promessa de campanha de Bolsonaro e “ele tem que cumprir”, mas acrescentou que esse será um processo muito longo, que pode durar anos.

O general afirmou que havia se comprometido a lutar contra a privatização, mas “até um certo limite”. “No momento em que há uma decisão, esse assunto é de responsabilidade do governo.”

“Já que há uma decisão para que esse processo aconteça”, segundo o general, o melhor que os funcionários podem fazer é receber bem os responsáveis pelos estudos da privatização, de forma a fazer um “controle de danos” e “procurar contribuir, acompanhar e defender nossos interesses”.

‘Serenos’

Cunha foi ovacionado ao levantar o moral dos servidores: “Os Correios não vão acabar, ninguém vai acabar com a empresa e mandar todos os funcionários embora”. “Vamos ficar serenos, encarar com naturalidade, sem ninguém se estressar.”

Ele disse que a equipe econômica está preocupada com a preservação dos direitos dos funcionários e com o futuro da própria empresa. “Não querem que, lá no futuro, a coisa venha a se deteriorar novamente.”

Segundo o general, o modelo a ser adotado na privatização ainda não foi definido. “Uma parte da empresa poderá fazer abertura de capital. Nada disso está definido: como fazer, o tipo de privatização, se é que vai acontecer. Vejam, existem muitos passos aí pela frente, muitos passos”, afirmou. E novamente insistiu. “Sobre o tempo que isso leva? Não sei, eu também não sei. É um caminho muito longo”, reconheceu, ressaltando que “não é hora de se estressar e perder noites de sono”. “Por isso não temos que nos preocupar com grande antecedência. Não se desgastem com isso.”

O general encerrou recomendando aos empregados que continuem buscando bons resultados para tentar influenciar na decisão do governo. “Temos que mostrar que somos uma empresa sólida, que não precisamos do orçamento do governo, tudo isso será considerado quando do processo de privatização”, afirmou. “Temos que trabalhar de perto e contribuir para a defesa dos nossos empregados, buscando influenciar nesse aspecto.”

UOL/montedo.com

Embraer irá transformar jato executivo em avião militar de vigilância aérea

Vinícius Casagrande


Novo avião militar da Embraer usará plataforma do Praetor 600 (Divulgação)

Com a venda da divisão de aviões comerciais para a Boeing, a Embraer deve focar sua atuação nas áreas de aviação militar e executiva. O primeiro produto dessa nova era da fabricante brasileira une exatamente essas duas áreas.

A Embraer anunciou hoje o desenvolvimento de um novo jato de uso militar baseado no avião executivo Praetor 600. O novo P600 AEW (Alerta Aéreo Antecipado) será usado para vigilância e reconhecimento aéreo. O projeto é fruto de um acordo de cooperação estratégica assinado hoje em Paris (França) entre a Embraer Defesa & Segurança e a ELTA Systems Ltd (ELTA), subsidiária da Israel Aerospace Industries (IAI).

A Embraer fornecerá a plataforma aérea, sistemas de solo, sistemas de comunicações e integração de aeronaves. A IAI-ELTA será responsável pelo radar de alerta antecipado, sensores de coleta de informações e outros sistemas eletrônicos.

O Praetor 600 faz parte da categoria “super midsize”, com autonomia de voo de 7.215 quilômetros e capacidade para até nove passageiros. Na nova versão de uso militar, os radares e sistemas serão montados em um casulo localizado na parte superior da fuselagem do jato. O P600 AEW pode fornecer imagens, monitorando a atividade aérea em áreas fora da cobertura dos radares terrestres. Pode executar várias missões, como defesa aérea, alerta antecipado, comando e controle, eficiência da frota de combate, defesa territorial e vigilância marítima.

A Embraer não divulgou o preço do novo avião, que pode variar de acordo com a necessidade de cada cliente. A versão executiva do jato custa a partir de US$ 22 milhões. “Esta plataforma oferece desempenho e flexibilidade superiores resultando na melhor proposta de valor em sua categoria”, disse Jackson Schneider, presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança. “Ele pode ser facilmente configurado para atender às necessidades do cliente e poder executar uma ampla variedade de missões de uma maneira mais eficiente e econômica.”

Blog Todos a Bordo (UOL)/montedo.com

Representantes do Quadro Especial entregam a Bolsonaro carta com reivindicações.

Membros da Comissão Regional do Quadro Especial saúdam Bolsonaro em sua chegada na Festa Nacional da Artilharia realizada em 15 de junho, no Regimento Mallet, em Santa Maria-RS. Quebrando o protocolo, o presidente abraça e carrega um menino nos ombros. Neste momento, uma esposa de militar inativo consegue entregar a ele uma carta aberta, solicitando modificações no PL 1645/19, que beneficiem o Quadro Especial.

Os generais e os gritos de liberdade

Os generais Mourão, vice-presidente, Pujol, comandante do Exército e Miotto, comandante militar do Sul, entoam o refrão da música “Gritos de Liberdade”, clássico do cancioneiro gaúcho.

Aqui, a versão completa, interpretada pela banda do 19º Batalhão de Infantaria juntamente com o grupo Rodeio:

Linha Maginot: a mais poderosa e inútil fortificação da História

LINHA MAGINOT: A MAIS PODEROSA E TRAGICAMENTE INÚTIL FORTIFICAÇÃO DA HISTÓRIA

Era uma rede de fortalezas destinada a proteger a França da Alemanha. A ideia parecia ótima, mas os alemães não tiveram problemas para ultrapassá-la

FABIANO ONÇA

Um forte da linha Maginot, na França.
Reprodução

Para evitar a invasão germânica, os franceses construiram um enorme complexo de fortalezas militares que se interligavam chamado Linha Maginot. Estendendo-se ao longo da fronteira da França com a Alemanha, a linha totalizava 200 km, desde a fronteira com a Suiça até a floresta de Ardennes, na Bélgica.

Cento e oito grandes fortes subterrâneos guardavam a linha de 15 em 15 km. Havia 410 casamatas para infantaria, 152 torres móveis e 1 536 cúpulas fixas e 339 peças de artilharia. Tudo estava interligado por 100 km de galerias subterrâneas.

As obras da Linha Maginot foram iniciadas, em 1929, após um grande lobby de André Louis René Maginot, ministro da guerra francês. Natural da Lorena, ele testemunhara sua terra natal ser arrasada na I Guerra Mundial e via com desconfiança o reerguimento da Alemanha. Ele não veria o fim de sua obra.

Em 1932, aos 55 anos, morreu de febre tifóide. Em maio de 1940, os alemães declararam guerra à França e, em vez de atacar a poderosa linha, a contornaram, passando pela Bélgica. Menos de 2 meses depois, a França capitulava e as guarnições da Linha Maginot tiveram que se render, muitas sem ter disparado nenhum tiro.


1. Bem guardadas

Para evitar uma grande explosão, os paióis de munição eram divididos em 3 áreas separadas. A principal, a M1, tinha 7 câmaras e abrigava 3 mil projéteis. A segunda, ao pé de cada bloco de combate, chamada M2, guardava 2,8 mil. E a terceira, dentro da própria sala de combate, tinha espaço para mais 600 projéteis.


2. Entrada restrita

Entrada para as tropas / Crédito: Wikimedia Commons

A fortaleza possuía apenas 2 entradas. Uma para as tropas e 1 para as munições. As 2 ficavam localizadas atrás da fortaleza, voltadas para a França, escondidas por bosques. Ainda assim, ambas as entradas eram protegidas por peças antitanque, que ficavam apontadas para a estrada de acesso.


3. Sistema antigo

Pensando nos ataques com gás da Primeira Guerra, os fortes possuíam um sistema de ventilação que expelia o ar do forte em caso de um ataque deste tipo. O sistema ainda limpava o ar da fumaça dos canhões e do cheiro das máquinas a diesel. O ar era renovado com filtros de ar, com o tamanho das atuais máquinas de lavar louça.


4. Chumbo grosso

Pequeno forte da linha de Maginot atualmente / Crédito: Wikimedia Commons

Várias baterias de artilharia, incluindo canhões de 75 mm e outras peças auxiliares, como metralhadoras e obuses, compunham o poder de fogo de um forte. Geralmente, as peças ficavam em cúpulas de aço especialmente forjadas, que giravam 360º e eram operadas por 2, 3 ou 4 soldados.


5. Time unido

Em tempos de guerra, uma típica guarnição de forte era composta de 812 homens: 27 oficiais, 107 cabos, 587 soldados, 161 engenheiros e outros 97 oficiais não combatentes, como médicos e técnicos. Os dormitórios ficavam muitas vezes a 30 metros do solo, mas eram dotados de água corrente. Os dejetos eram tratados com produtos químicos.


6. Energia até o fim

A energia elétrica era vital para o funcionamento da fortaleza. Por isso, além dos meios tradicionais para a distribuição dela, cada forte possuía 4 grupos de gerador Sulzer a diesel, cada um com 290 cavalos de força e 250 kilowatts, capazes de operar por até 2 meses. Oito reservatórios de água, num total de 400 m3, garantiriam a sobrevivência da guarnição até a chegada de reforços.


7. Metrô

As linhas do “metrô” dentro da fortificação subterrânia

Para transportar a munição – e eventualmente as tropas –, as fortalezas dispunham de pelo menos 4 pequenas locomotivas Vetra de 5,5 toneladas, que puxavam 57 vagonetes pelos trilhos subterrâneos. Esse sistema era comumente chamado de metrô pelos soldados.

.

Aventuras na HISTÓRIA/montedo.com

Congresso vai aprovar reestruturação da carreira militar, diz ministro

Por Roseann Kennedy – da TV Brasil  Brasília

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, está confiante na aprovação do projeto de lei que reestrutura a carreira militar. A matéria foi encaminhada ao Congresso paralelamente à reforma da Previdência, e a comissão especial que vai analisar o tema foi criada no último dia 29. O ministro ressaltou que as peculiaridades da profissão nas Forças Armadas exigem normas específicas. “Você está oferecendo a sua vida em prol do país. Então, ela tem que ter regras específicas para o militar e para a família dele. Eu tenho certeza absoluta que os parlamentares compreendem e vão aprovar isso”, apostou.

Em entrevista à jornalista Roseann Kennedy, o general também defendeu a importância de o Congresso aprovar o acordo de salvaguardas tecnológicas entre os governos do Brasil e dos Estados Unidos para impulsionar o uso comercial da Base de Alcântara, no Maranhão. O documento foi assinado em Washington, nos Estados Unidos, em março, entregue na Câmara dos Deputados na semana passada e o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) foi escolhido relator na Comissão de Relações Exteriores, no dia 12. A estimativa do governo é que, se o Brasil detiver, ao menos, 1% do mercado mundial de lançamento de satélites até 2040, isso representará uma arrecadação de US$ 10 bilhões, por ano. Na entrevista, o ministro falou ainda de temas como a flexibilização do porte de arma e munição e  dos 20 anos do Ministério da Defesa.

Roseann Kennedy: Nestes 20 anos do Ministério, houve muita mudança na importância da defesa no país?
Fernando Azevedo e Silva: Durante estes 20 anos, o Ministério da Defesa teve alguns avanços significativos. Uma foi a concepção de ações conjuntas, que envolvem as três Forças. Hoje, numa concepção de conflito, só existem operações conjuntas. Nós pegamos um período muito fértil, que foram as operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Para você ter uma ideia, de 1999 até hoje, foram 114 operações. A outra coisa que marcou estes 20 anos foi o seu farol, a sua concepção estratégica. Os documentos básicos que foram criados e que dão realmente um norte para o Ministério e para Marinha, Exército e Força Aérea, que foram a Política Nacional de Defesa, a Estratégia Nacional de Defesa e o Livro Branco de Defesa, que são aprovados e referendados pelo nosso Congresso.

Roseann Kennedy: O país também teve avanço na condição geopolítica, com uma presença no mundo muito mais forte.
Azevedo e Silva: É lógico que as concepções de conflito mudaram. Nós temos, hoje, os chamados conflitos assimétricos, que não têm fronteira, não têm países. E a nossa concepção estratégica foi mudando ao longo disso. Mas nós temos duas estratégias básicas, ou três. Nós temos que ter um poder dissuasório compatível com a estatura política e geográfica que o Brasil tem, com suas riquezas. Nós temos 22 milhões de quilômetros quadrados para vigiar, seja em terra, mar ou ar. Nós temos de ter a capacidade de projeção de poder, particularmente para atuarmos em forças expedicionárias em missão de paz que nós já atuamos em várias delas. E nós já atuamos em várias delas. Moçambique, Angola, Haiti, recentemente, e atualmente temos 375 militares no exterior, em missão de paz.

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, concede entrevista à jornalista Roseann Kennedy, do programa Impressões, da TV Brasil

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, concede entrevista à jornalista Roseann Kennedy – Divulgação/TV Brasil

Roseann Kennedy: Quais são seus principais desafios no Ministério da Defesa?
Azevedo e Silva: A pasta da Defesa é até simples em relação às outras. Não no que seja simples por simplicidade, é pela organização que eu tenho, em relação ao Exército, Marinha e Força Aérea. São instituições de Estado. Elas atravessam ou se sobrepõem aos governos. Mas têm dois desafios. Um é o orçamento necessário. Que eles [recursos] são poucos, são escassos. Nos últimos anos, nós tivemos um orçamento compatível com as nossas necessidades. Nós sofremos particularmente em relação aos nossos programas e projetos. E você não tem mágica. Falta uma previsibilidade orçamentária. Isso que é o principal. Então, quando o recurso é pouco em relação aos principais programas da Força, só tem duas coisas a fazer: ou você alonga o prazo dos programas e projetos, ou você muda o escopo desses programas. E isso é ruim. Outro desafio, que iniciou a caminhada no Congresso, é o problema da proteção social dos militares, que confundem com Previdência. E a oportunidade que nós estamos tendo de ter uma reestruturação da carreira militar, que se faz necessária há algum tempo.

Roseann Kennedy: A questão da aposentadoria de vocês não é tratada em proposta de emenda à Constituição (PEC), tem normas específicas.
Azevedo e Silva: Eu acho que os integrantes do Congresso já compreenderam quais são nossas necessidades, as nossas idiossincrasias da profissão militar. A gente não tem um sistema previdenciário, você não tem um Regime Geral da Previdência, você também não é um servidor público. Você tem leis ordinárias que regulam a profissão militar. A Constituição já amarra as nossas peculiaridades. Você está oferecendo a sua vida em prol do país. Então, ela tem que ter regras específicas para o militar e para a família dele. Estamos contribuindo para o esforço do país, mudando a parte da proteção social, estamos passando a contribuir mais, bem mais. Estamos aproveitando para uma reestruturação da carreira, visando à meritocracia. Isso sem gerar déficit nenhum, ao contrário, estamos gerando um superávit para a receita. Então eu tenho certeza absoluta que os parlamentares compreendem e vão aprovar isso.

Roseann Kennedy: A Defesa tem outras formas de contribuir com o ajuste fiscal, além do próprio entendimento em relação à reforma da Previdência?
Azevedo e Silva: Tem, nós já fazemos isso. Nós temos a Base Industrial de Defesa. São empresas estratégicas nossas. Sempre de maneira dual, tanto serve para a parte militar como para a civil. Ela é a responsável por 4% do Produto Interno Bruto.  Gera 60 mil empregos diretos e mais 240 mil empregos indiretos. Quer dizer, nós estamos contribuindo.

Roseann Kennedy: Como está a questão do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, para o uso comercial da Base de Alcântara?
Azevedo e Silva: Esse é outro processo importante que o Ministério da Defesa está à frente, com o Ministério da Ciência e Tecnologia. Isso aí começou em 1983, com a criação da base de lançamento de Alcântara. Mas o primeiro acordo de salvaguardas, que é um acordo comercial, foi para o Congresso em 2000. É um acordo com os americanos, que detêm 80% de todos os componentes satélites, você tem que passar por ele. Como passaram a Rússia e a China, que têm o mesmo acordo. Em 2000, nós não tivemos êxito. Aperfeiçoamos as correções que o Congresso achou por bem fazer. Levamos de novo para o acordo, foi aprovado o novo acordo, e nós, na semana passada, entramos no Congresso com um projeto de lei desse acordo que é comercial e benéfico para o país.

Roseann Kennedy: Isso pode ajudar também na questão fiscal?
Azevedo e Silva: Também. Primeiro, a localização em termos técnicos vai ser a melhor base em condições técnicas de lançamento de satélite do mundo. Então, os países que venham lançar os satélites aqui, é um acordo comercial. Isso gera divisas. Isso gera recursos, impulso até para a região do Maranhão. Então é um acordo muito bom.

Roseann Kennedy: Já que falamos de Base de Alcântara, o senhor, que foi precursor dos paraquedistas, viajaria num foguete?
Azevedo e Silva: Eu viajaria num foguete só se eu pudesse colocar um paraquedas e, se for muito alto, o oxigênio. Sem paraquedas eu não subo num foguete.

Roseann Kennedy: Nunca deu medo de saltar, nem quando houve pane no paraquedas?
Azevedo e Silva: A minha paixão sempre foi o paraquedismo. Eu passei ali 12 anos. Como general, eu comandei os paraquedistas, que é o sonho de todo paraquedista. Quando eu estava começando a saltar, perguntei a um oficial que tinha muito salto se ele tinha medo. E ele falou assim: ‘Tenente, se eu não tiver medo mais de saltar, eu paro de saltar. Significa que eu estou ficando louco.’ Então, medo você sempre tem. Mas dominar o medo é muito bom. Agora, em relação às panes de paraquedas que eu tive, não é uma boa situação. Mas ainda bem que a gente tem um paraquedas reserva. Foram sete panes que eu tive.

Roseann Kennedy: Vamos falar de segurança. Um dos assuntos na pauta no país é o decreto que flexibiliza o porte de arma e munição. Qual é o impacto que o senhor avalia que isso pode ter na segurança pública do país?
Azevedo e Silva: Nós vamos ver o impacto a partir de agora. Mas vamos ver o modelo anterior. É um modelo que não tinha uma flexibilização, chegou-se a índices de criminalidade alarmantes. Você não pode ter, num passado recente, 63 mil homicídios. Então é um modelo que não estava dando certo. É um modelo em que o bandido, o malfeitor estava armado e o chefe de família sem possibilidade de uma autodefesa, de estar armado. Então, não fugiu o controle o decreto. Continua o controle. Mas deu uma flexibilidade maior, com a possibilidade de um chefe de família ter a sua defesa, dele e de seu lar. Nós vamos esperar os resultados. Mas eu acho que foi bom.  

Roseann Kennedy: E esse resultado vocês vão conseguir medir em curto, médio ou longo prazo?
Azevedo e Silva: Acho que é médio prazo. Agora, o importante é que o modelo anterior não deu certo, pelos índices alarmantes que a gente tem.

Roseann Kennedy: Pesquisa recente mostra que a população vê as Forças Armadas como a instituição de maior confiabilidade no país. A que o senhor creditaria isso?
Azevedo e Silva: São vários fatores. Uma é pela postura de seriedade que as Forças sempre tiveram. Outra, no passado, desde o descobrimento do Brasil, as Forças Armadas, diferentemente de outros países, foram responsáveis pela formação da nacionalidade brasileira. Elas estiveram presentes em todos os momentos importantes do Brasil. Outra é pela presença nossa em todo o território. E pelo serviço militar, pelos parentes, pelo avô, pai, filho, que servem e veem a nossa seriedade. Então são instituições muito sólidas. Têm seus erros? Têm. Mas nós cortamos na carne os nossos erros, a Marinha, o Exército e as Forças Aéreas.

Roseann Kennedy: No passado, existia um jovem reticente, sem querer entrar para o serviço militar obrigatório. Como é isso hoje?
Azevedo e Silva: A Constituição Federal sabiamente prevê o serviço militar obrigatório. Tem países que tiraram isso, se arrependeram e voltaram. A segurança do país merece o serviço militar obrigatório, até para formar o reservista. Mas antes, que havia alguns pedidos para não servir, esse quadro mudou. Nós temos em média por serviço militar 1,8 milhão de jovens que se alistam, prontos para servir. A gente aproveita, em média, cerca de 6% disso, é muito pouco. Então é o contrário. Agora a demanda maior é querer servir. E tem outras entradas. Tem a parte de sargento, tem a parte de oficiais. Então a demanda para as escolas militares é muito boa. O que a gente não pode perder, aí vem a reestruturação da carreira militar, é o incentivo ao jovem procurar a carreira definitiva das Forças Armadas.

Roseann Kennedy: Que salto o senhor ainda quer dar na sua vida?
Azevedo e Silva: Já saltei muito, mas o salto que eu quero dar na minha vida é saltar para bater palma pelo sucesso dos meus filhos e da minha neta. É esse é o salto.

Roseann Kennedy: O senhor acredita que o Brasil vai mostrar toda a sua potência quando?
Azevedo e Silva: [Em] toda grande caminhada para o país virar uma potência, tem que dar o primeiro passo. E eu acho que o passo foi dado nessas eleições. O povo quis mudança. O povo quis um novo sistema. E esse governo do presidente Bolsonaro foi eleito por causa disso. Para dar o primeiro passo para o Brasil realmente se tornar uma potência.

AGÊNCIA BRASIL/montedo.com

Deputado, é hora de deputar!

O deputado Hélio Lopes, ex-“Negão” ou “Bolsonaro” segue sua rotina de andar à tiracolo do presidente em viagens e eventos públicos. Neste vídeo, ele aparece pegando carona na ovação que o “Mito”recebeu ontem, no Morumbi.

É muito pouco para um subtenente do Exército que foi o deputado federal mais votado do RJ, com 345.234 votos.

Sua atuação parlamentar transcorre na mais absoluta discrição. O político não deu um pio sobre a reforma da previdência ou qualquer outro assunto em pauta na Câmara.

Sobre as reivindicações dos “estamentos inferiores” das Forças Armadas, dos quais é oriundo, Hélio brinda seus eleitores com um silêncio ensurdecedor. Ele também ignorou a audiência pública realizada em 4 de junho para discutir a reestruturação da carreira dos militares das Forças Armadas.

Vamos começar a deputar, Deputado?

‘Verdadeiro militar não fica muito tempo nesse meio podre’, diz general

A afirmação é do ex-presidente do Clube Militar Gilberto Pimentel, ao comentar demissão do ministro Santos Cruz

Roberta Paduan

Gilberto Pimentel: “cuidem para que nossa instituição não seja comprometida nessa baixaria” (Reprodução/Facebook)

O general da reserva Gilberto Pimentel, presidente do Clube Militar até junho do ano passado, manifestou-se de maneira enfática sobre a demissão do ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz, também general e até ontem titular da Secretaria de Governo da Presidência. Segundo Pimentel, “é praticamente impossível para um verdadeiro militar conviver por muito tempo nesse meio torpe, podre e corrompido pela própria natureza”, referindo-se à atividade política.Veja também

O militar também alertou para o risco de contaminação das Forças Armadas. “Ao Santos Cruz, o meu abraço, e aos demais companheiros, que ainda acreditam, meus respeitos e que se cuidem para que nossa instituição não se veja comprometida nessa baixaria”, escreveu a membros de grupos de WhatsApp e em uma rede social.

Veja/montedo.com

Skip to content