Ministro do GSI, general rejeita desconfiança com as Forças Armadas e diz que ‘8 de janeiro foi ponto fora da curva’

O general Antonio Amaro, chefe do Estado-Maior do Exército, em evento com o presidente Jair Bolsonaro — Foto: Marcos Corrêa/PR

Para general Marcos Antônio Amaro, não é razoável desconfiar das Forças Armadas
Para o ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Marcos Antônio Amaro, o episódio de vandalismo do 8 de janeiro foi um “ponto completamente fora da curva na normalidade democrática”.

Em participação no CNN Entrevistas, o general avaliou que não é razoável desconfiar das Forças Armadas, que, na visão do militar, “sempre tiveram excelente reputação”.

“As Forças Armadas sempre tiveram excelente reputação, excelente imagem diante da população brasileira, seja de direita, seja de esquerda. Se existe algo que não combina com isso, rapidamente vai desaparecer”, disse o ministro.

Em maio, general Amaro completou um ano à frente do ministério. Ele assumiu a pasta após a saída do general Gonçalves Dias do GSI. O então ministro se demitiu depois da revelação pela CNN de vídeos mostrando sua atuação no dia 8 de janeiro.

O ministro considerou que tem trabalhado pelo entendimento e para “apaziguar situações” é que será uma atuação serena, calma, responsável e eficiente dos militares que fará “desaparecer qualquer desconfiança”.

Na entrevista, o general disse ainda ser favorável ao serviço militar obrigatório no Brasil. Ele ressaltou que o Reino Unido, por exemplo, decidiu retomar a obrigatoriedade por necessidade.

“Há países que hoje estão pensando em retomar o serviço militar obrigatório. Caso do Reino Unido, da Inglaterra. Virou notícia do primeiro-ministro retomar o serviço militar por conta de necessidade. Ele é muito mais barato para o país, que dá uma grande reserva. Todo soldado que sai continua sendo reservista por cinco anos”, afirmou.

O ministro afirmou ainda que não há nada que impeça que uma mulher seja nomeada como titular do Ministério da Defesa. Até hoje, nenhuma mulher assumiu o cargo. A pasta pretende viabilizar, a partir de 2025, o alistamento militar opcional para mulheres.

“Tem de ser alguém com carreira amadurecida e que não seja um trampolim para outras intenções políticas. Seja homem ou mulher, que tenha essa visão. Que tenha uma visão de Estado”, disse.

Com CNN BRASIL

 

10 respostas

  1. O nobre ministro só esqueceu de mencionar o atual presidente, que falou em bom tom que não confiava nas Forças Armadas e também a primeira Dama que preferiu manter militares bem longe dela e sua segurança é composta por policiais Federais.
    No mais tudo com dantes no quartel de Abrantes.

  2. Não é desconfiança propriamente dita do EB mas sim de seus comandantes sito a voz do general Dutra “,quando nos isolamos a área eles foram dormir achando que estavam seguros ” baita engano né general traíra, mentiroso ainda ofereceu ônibus para retirar as pessoas dizendo que era só para sair das imediações mas não era para prisão junto a PF. Pois é acreditar em quem general Amaro…

  3. Se existe desconfiança nas forças armadas ela foi criada justamente pelos seus comandantes generais olha a fala do general Dutra na época do 8 janeir, olha situação que os generais deixaram os Sgts QEs e suas pensionistas então são essas coisas que vão se somando e tomam uma magnitude muito maior, mas tem como ajeitar mas os comandantes são arrogantes, egocéntricos só pensam no próprio umbigo daí não adianta ficar de mimimi…

  4. Uma força q nao luta por seus soldados vai lutar p defender a quem?
    Faltam recursos de toda ordem,
    Principalmente melhores vencimentos para recompor as perdas inflacionarias.
    Estamos sem lideres.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo