Moraes manda soltar coronel do Exército, ex-assessor de Bolsonaro

Coronel Marcelo Câmara

 

Marcelo Câmara deixou a prisão e vai usar tornozeleira eletrônica
Ele teve a liberdade decretada nesta quinta-feira (16) e, durante a noite, fez os procedimentos finais para a saída da cadeia. Câmara foi preso em operação sobre tentativa de golpe e agora vai usar tornozeleira.
O coronel do Exército Marcelo Câmara, ex-assessor do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), teve liberdade decretada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. Ele deixou a prisão nesta quinta-feira (16), após cumprir os procedimentos finais para a saída da cadeia no Setor Militar Urbano. Como parte de sua liberdade condicional, Câmara usará uma tornozeleira eletrônica.

Procurada pelo blog, os advogados de defesa de Câmara, Eduardo e Christiano Kuntz, disseram o seguinte: “a defesa comemora o restabelecimento parcial de sua liberdade e aguarda o desenrolar do caso para provar que Marcelo Câmara sequer deveria estar nele”.

Além de usar tornozeleira eletrônica, Câmara não poderá deixar Brasília e terá que se apresentar ao Juízo da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal semanalmente.

Ele também terá seu porte de arma de fogo e registro CAC cancelado, de acordo com a decisão de Moraes, além de não poder manter comunicação com nenhum dos demais investigados do caso, inclusive por intermédio de terceiros.

Câmara foi preso em 8 de fevereiro por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), na operação Tempus Veritatis, da Polícia Federal (PF), que investiga a tentativa de dar um golpe de Estado durante o governo Bolsonaro e invalidar as eleições de 2022, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Uma semana após a prisão, a defesa do ex-assessor de Bolsonaro, tinha pedido revogação da prisão, que foi negada por Moraes.

Segundo as investigações, Câmara atuava coletando informações que “pudessem auxiliar a tomada de decisões do então Presidente da República Jair Bolsonaro na consumação do Golpe de Estado”.

O militar do Exército também é suspeito de participar de “monitoramento do itinerário, deslocamento e localização do Ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes e de possíveis outras autoridades da República com objetivo de captura e detenção quando da assinatura do decreto de Golpe de Estado”.

g1 Edição: Montedo.com

10 respostas

    1. Nao, claro que nao.
      Somos um pais soberano.
      Ngm está nem ai pro congresso americano ou para seu empresário de estimação triste pq a byd dominou um promissor mercado (auto elétricos) que poderia ser da tesla.
      O elon musk nada pode fazer. Temos nossas instituições, entre elas o congresso brasileiro, o único capaz de pautar um impeachment de ministro

      1. E o que é que tem a ver a rolha com o fundo da garrafa? É por tua explanação que o embaixador de Xin Xixi está se reunindo com o supremo?

  1. Esperar o quê de uma parte do judiciário que solta traficantes perigosos e lhes devolve os bens apreendidos e inventa uma narrativa para fins de perseguição politica com a conivência de comandantes militares?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo