Justiça do Chile diz que ex-chefe do Exército foi cúmplice de 15 homicídios na ditadura

Cheyre como comandante em chefe em Nova Délhi em 2005 Foto: Reuters

Apesar da condenação a cinco anos de cadeia, militar teve pena convertida em liberdade condicional
Santiago – A Justiça do Chile determinou, na quinta-feira (28), a cumplicidade do general reformado do Exército Juan Emilio Cheyre Espinoza em 15 homicídios qualificados ocorridos em 1973, especificamente na operação conhecida como “Caravana da Morte”.

Esta operação foi uma delegação militar com o objetivo de assassinar adversários políticos durante os primeiros meses da ditadura civil-militar de Augusto Pinochet (1973-1990).

Particularmente, a Suprema Corte determinou que houve erro ao classificar a participação atribuída ao condenado Cheyre Espinoza como cúmplice dos homicídios, estabelecendo-a como cumplicidade e condenando o ex-militar a cinco anos de prisão.

No entanto, Cheyre cumprirá uma sentença alternativa de liberdade condicional intensiva, considerando sua “irrepreensível conduta anterior”.

Também foram impostas as penas acessórias de inabilitação absoluta e perpétua para direitos políticos e de inabilitação absoluta para cargos e serviços públicos durante o tempo da sentença e pagamento das custas do processo.

Cheyre também foi processado por casos de desvio de fundos públicos como parte de uma investigação sobre fraude na instituição militar.

Na mesma sentença, o mais alto tribunal chileno decidiu aumentar as penas de nove soldados aposentados pelo homicídio qualificado dos 15 opositores, todos fuzilados em 16 de outubro de 1973 e alguns deles até finalizados com um tiro de graça, conforme estabeleceu a investigação judicial.

Na decisão, a Segunda Câmara do Supremo Tribunal decidiu que Pedro Espinoza Bravo e Juan Chiminelli Fullerton serão condenados a 15 anos, enquanto Víctor Hugo Alegría Rodríguez, Jaime Ojeda Torrent e Emilio de la Mahotiere González receberão penas de 10 anos e um dia em prisão.

Hernán Valdebenito Buggman, Guillermo Raby Arancibia e Luis Araos Flores foram condenados a cinco anos e um dia de prisão como cúmplices.

Segundo a resolução do tribunal, “a reunião entre a Comissão e uma parte do pessoal do Regimento de Artilharia nº 2 Arica de La Serena – onde Cheyre era tenente – corresponde a um momento anterior aos crimes cometidos e nele os antecedentes foram revistos estatísticos que procuraram acelerar os processos que afetavam os presos políticos e, quando apropriado, proceder imediatamente à sua execução”.

A ditadura no Chile durou 17 anos e deixou mais de 40 mil vítimas, entre executados, detidos desaparecidos, presos políticos e torturados, segundo números da comissão oficial que compilou depoimentos de vítimas e familiares. Mais de 3,2 mil chilenos morreram nas mãos de agentes do Estado.

Durante o governo do atual presidente chileno, Gabriel Boric, teve início a uma política inédita de busca de vítimas de desaparecimentos forçados durante o regime de Pinochet, que busca esclarecer o destino dos desaparecidos, que são estimados em cerca de 1.469 pessoas, dos quais apenas 307 foram encontrados.

O processo inclui, também, a prestação de contas à sociedade chilena sobre o andamento destes processos, juntamente com a implementação de medidas de reparação e garantias de não repetição da prática deste tipo de crimes.

R7

Uma resposta

  1. Todas as ditaduras, sejam elas quais forem, são nefastas por natureza. Ditadura anda de mãos dadas com golpes sem legitimidade, pois sempre uma pequena parte querendo tomar o poder para mandar em todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo