Sem pressa com os militares

Rodrigo Pacheco e presidente do STM (Divulgação STM)

De olho em sua sucessão, Pacheco não quer contrariar bolsonaristas para manter bom relacionamento

Nonato Viegas
[email protected]
Responsável pela agenda do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) vai discutir com líderes partidários na sua volta ao Brasil —ele está na comitiva de Lula para o Oriente Médio— se e quando coloca em votação a PEC que obriga militares a irem para reserva caso desejem concorrer a cargo eletivo. O governo quer votar a proposta ainda este ano.

O projeto de emenda à Constituição foi aprovado na quarta (29) na Comissão de Constituição e Justiça e ficou pronto para ir ao plenário. Bolsonaristas são contra a projeto. Pacheco não quer contrariá-los. Acha que precisa manter o bom relacionamento para a sua sucessão em 2025. Ele apoia Davi Alcolumbre.

Apesar da moderação do presidente do Senado, a resistência da oposição não deve atrapalhar a votação. O ministro José Múcio Monteiro (Defesa) se envolveu diretamente no texto e na articulação do projeto. Mesmo que haja resistência de um ou outro militar de alta patente, Múcio garantiu o apoio majoritário dos comandos das Forças Armadas.

o bastidor

11 respostas

  1. Não sei se é impressão minha, mas esse 4 estrelas está na hora de ir embora, tem coisas que NÃO TEM PREÇO, e alguns perderam a noção da própria ética e da moral, pelo fanatismo de ficar na ativa acabam se corrompendo e perdendo a vergonha.
    Existe vida lá fora, entra numa ONG, faz um curso superior na reserva, mas não fica “vampirando” e passando vergonha, pois hoje até as crianças sabem programar em linguagem R e Pynton e vossa excelência se torna um tranca rua para uma equipe de alta performance, a vida administrativa é comparável à uma guerra, e imagine levar um velho desse numa operação com uma Cia Fzo??

    1. Vida la fora nao tem pnr assessoree guarda em forma rancho motorista viatura bajuladores furar fila no hce renioes pessoas fingindo que te escultam diarias passagem soldado para fazer as coisas…….
      Arre égua
      Fica até a expulsória

      1. Apoiado. Sem comentar que tem uns QAO´s babões que controlam a vida deles: pagam contas, marcação de consultas, patroa para passear, etc.
        Algo impressionante, mas sabido por todos, é que em uma transferência existem aqueles que deixam a família para acompanhar os velhinhos. Tudo para parece que fazem parte dos lordes. Vergonha!

  2. o que o stm tem a ver c isso (foto)?
    As FFAA são tão sem pai nem mãe que vai um general reformado, pertencente a um órgão do poder judiciário (stm), tratar de assuntos internos da instituição (que pertence ao poder executivo).

    Órfãos de chefes

  3. Chega d e mentiras sujas.
    Que a Verdade seja vitoriosa, embora ela deve ser assegurada por meio de grandes esforços, a Verdade se faz necessária e não pode ser mais silenciada.
    Abaixo a sabotagem. Ilusionistas covardes.

  4. Essa PEC dos militares chega a ser imoral, o mesmo tratamento deve ser para todos da administração pública direta, indireta ou fundacional, de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

  5. A Proposta da Dep Gleisi Hoffman ( a pedido do Min Paulo Pimenta ) chegou nas mãos do Ministro Alexandre Padilha,ou seja, já tá na mão do Presidente Lula !!! Avante QEs !!! A classe mais unida e valente das FFAA!!! Parabéns !!!

  6. Estou na reserva sou praça de 1982 e 2011 passei para reserva e de lá prá cá tenho acompanhado esse site e vejo os anônimos sempre fazem postagem sempre com desprezo e desrespeito com seus superiores , fui pra reserva como ST e nem por isso me dirijo com desrespeito com meus superiores mesmo na reserva. Camarada acho que todos vcs estavam ou estão na profissão errada .poderia ser uma pessoa revoltada pois fui pra reserva aos trinta anos como ST , fui promovido quatro anos antes de completar 30 anos e estava no QA dez/2011 e não esperei no entanto não sou um militar revoltado os omissos e covardes se escondem atrás do anonimato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo