“Batata quente”: projeto que acaba com pensão de filhas de militares passou por sete relatores no Senado

PENSÃO MILITAR

Originária de uma ideia legislativa enviada através do e-Cidadania, a Sugestão 20  está na Comissão de Direitos Humanos do Senado desde 2019. Em 2018, o proposta recebeu 20.000 apoios e se tornou uma Sugestão no Senado. Ao todo, tem 57.392 apoios.

“Isso [pensão para filhos de militares] precisa acabar, pois eles sugam o nosso dinheiro, vivem dessa regalia, sem pensar em trabalhar, tendo saúde para isso, sem contar que custam muito para os cofres públicos”, escreveu o autor da Ideia Legislativa nº 108.750.

Na comissão desde 2019, o projeto para dar fim à pensão de filhos de militares passou pela relatoria de 7 diferentes congressistas.

Confira:

– Soraya Thronicke (Podemos-MS);
– Arolde de Oliveira;
– Paulo Rocha (PT-PA);
– Rose de Freitas (MDB-MG);
– Chico Rodrigues (PSB-RR);
– Rafael Tenório (MDB-AL); e
– Carlos Viana (Podemos-MG).

Com exceção de Paulo Rocha, que deixou a relatoria da proposta por ter saído da CDH, todos os outros congressistas decidiram devolver a Sugestão 20 de 2019 para que o texto fosse redistribuído para outro integrante do colegiado.

As sucessivas desistências denotam quão delicada é o debate em relação à proposição, em razão da relevância institucional das Forças Armadas.

Parecer CDH pensões de filhos de militares

Com informações de Poder 360

12 respostas

  1. Graças a Deus ainda estou vivo , nenhum filhos está usufruindo desse benefício. Mas se esse acabar tenho o direito de ser ressarcido dos 36 anos de arrecadação. Não venham dizer que tenho direito só dos últimos cinco anos , isso seria calote da união. Agora vamos ver se temos chefes militares.

  2. 75.168,00 é o valor que a união teria depositar na minha conta como ressarcimento daquilo que paguei até agora , claro que esse valor seria corrigido.

      1. Se pegar o valor mensal 1,5 e multiplicar por 432 meses ou seja 36 anos e o valor até agora pá pago ou entra o valor de 7,5 ?

  3. Filha merece educação e ela agradece e não mamata as custas dos outros contribuintes. Tem pessoas que pensam que a filha vai sentir na obrigação de cuidar dos pais na velhice, vai receber esse benefício mesmo dando pé na B.

  4. Não é dos contribuintes, é pago pelo militar desde que a filha nasceu até a morte do pai e somente aí ela passará a receber o benefício pago pelo pai.

  5. a pressão maior para acabar com esse benefício foi no ano de 2000, mesmo com o nojento FHC… não conseguiram. Para não acabar, arranjaram um desconto de 1.5% e está até hoje, para aqueles que optaram em manter o benefício. Para aqueles que entraram nas Forças Armadas após 2000 não têm mais esse direito. Acabar com esse direito agora é coisa impossível.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo