Sob pressão de Bolsonaro, Exército vetou até academia onde Alexandre de Moraes malhava

O Ministro Alexandre de Moraes durante a sessão do STF | Aílton de Freitas / Agência O Globo

Os atritos do ex-presidente Jair Bolsonaro em relação a Alexandre de Moraes afetaram até a rotina de malhação e exercícios do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)

Bela Megale

O magistrado costumava frequentar a academia do Comando Militar do Planalto (CMP), em Brasília, até que, no ano passado, recebeu um recado inusitado da cúpula do Exército: o local seria fechado para reforma e Moraes não poderia mais se exercitar ali.

Na ocasião, o comandante da Força era Marco Antônio Freire Gomes. A pressão e vigilância de Bolsonaro não era exercida só sobre o general, mas sobre toda a cúpula das Forças Armadas. O ex-presidente buscava subserviência e atuação dos militares contra aqueles que considerava seus inimigos, como Moraes. Bolsonaro chegou a ordenar que militares não se encontrassem com o magistrado, que também assumiu, em 2022, a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O fato de Alexandre de Moraes malhar no local era considerado uma saia justa, na visão de parte do Exército. O ministro deixou de frequentar o espaço. A academia, que tem instalações modernas e foi inaugurada em 2015, não fechou as portas para reforma.

Militares relataram à coluna que o general Freire Gomes se arrependeu da proibição e fez chegar a Moraes o recado para voltar à academia. O ministro, porém, não retornou. Recentemente, Moraes chegou a contar o episódio, em tom de brincadeira, para membros das Forças e ouviu que poderia voltar a se exercitar nas instalações do CMP.

Procurado, Moraes não respondeu aos contatos da coluna.

O Globo

23 respostas

  1. Considerando o nível de Subserviência, bem provável que aparecendo para malhar seja recebido com tapete vermelho, banda marcial e tropa formada para Continência da Guarda.

    Sem esquecer que ao final receberá o Diploma de “Amigo Da Academia do Comando Militar do Planalto”.

  2. Considerando o nível de subserviência ? Tem tanta sujeira debaixo do tapete que o ministro não vai querer passar lá, e com razão!

  3. Incrível como o falso meçias conseguiu manipular. Tentou interferir na votação da reforma tributário, ontem, mas felizmente o ostracismo chegou pra ele.

  4. Tá certo o presidente!!! Eu também proibiria …

    (Tudo será bolsonaro! O capitão voltará! 😀🇧🇷🇧🇷🇧🇷)

    (Mês que vem fecha os 73% $$$ do CHQAO , obrigado Bolsonaro!!! 73% é uma baita ajuda financeira 😁)

    1. Já frisei que praça com altos estudos é semelhante a motocicleta com cinzeiro, jamais terá utilidade, é só despesa. Altos estudos vale para oficiais do alto escalão, habilitados a Comando e EM, onde decisões estratégicas são tomadas. Você pode ser requisitado para servir o cafezinho deles E o teu “Ídalo” para lavar o piso de uma dependência já conhecida por muitos bolsonaristas 😁.

  5. Se for verdade é coisas típicas de militar e do Bolsonaro e casa vez demostra a pequenez e mediocridade desse passado do mito,asco.

  6. Quem é ele agora? Cavou um buraco e acabou caindo nele. A faixa presidencial não combinava com o advindo do 5 Esc do baixo clero, onde já era um insignificante. Continua demonstrando sua baixeza ao tentar atrapalhar medidas importantes que os parlamentares estão tentando implementar para o progresso do país. Seria bom que se calasse. Não possui moral alguma para se manifestar. Veremos sua reação ante a clava da justiça, que se aproxima de mais de uma direção.

  7. Agora aos mal informado. A pergunta que não quer calar e por gentileza antes de responder a pergunta vai na constituição federal e também no código penal Brasileiro. Me prove uma coisa o que Alexandre de Moraes está fazendo fora da constituição federal ou do código penal Brasileiro???. Então o pessoal acha que só porque é Bolsonaristas ou acham que a terra é plana tem que passar pano? Aqui se faz aqui se paga.

    1. Fez várias coisas. Uma delas é agir como como “Inquisidor”. Meu amigo, o sistema processual penal utilizado no Brasil é o acusatório, no qual as funções são bem delineadas. A acusação cabe ao Ministério Público, a defesa ao Advogado de Defesa e o juiz fica inerte e imparcial, não agindo de ofício. O Alexandre de Morais mais de uma vez agiu como Ministério Público, pedindo a abertura de Inquéritos de Oficio e produzindo provas, como no caso de Luciano Hang e outros. O sistema Inquisitivo, muito em voga na Idade Média durante a “caça às bruxas” tinha a concentração do poder na figura do Inquisidor o qual produzia provas, julgava e até defendia.

      Sim, anônimo, mais de uma vez o Alexandre de Morais agiu como um Inquisidor, não seja ingênuo.

          1. Quem não tem Argumentos, Sempre tenta Agredir. Mas a pergunta continua, cursou Direito aonde?!

        1. Quer saber? Fiz na Universidade Católica de Brasília. Agora se está tanto com dúvidas, leia esse artigo: https://www.conjur.com.br/2019-abr-19/entenda-semana-supremo-investigacao-oficio

          6. Não fosse isso, o titular da ação penal nos crimes aparentemente investigados seria o Ministério Público e os atingidos na honra. Assim, cabe ao Ministério Público (CF, art. 129) deliberar sobre a existência de elementos suficientes à instauração de investigação, aliás, no órgão policial com atribuição legal para tanto. No que interessa aqui, como atividade exercida pelo Estado em face da invasão de Direitos Fundamentais, somente pode dar por meio de Instituições reconhecidas pela normatividade, ou seja, não se pode investigar fora do contexto democrático. O perigo de se atribuir a instituições não previstas expressamente em lei o poder de investigar é o de se dar o fenômeno da cegueira deliberada das provas que não são interessantes à estratégia eleita, por efeito da dissonância cognitiva[1]. É importante certo afastamento objetivo, subjetivo e cognitivo do Estado-investigador, sob pena de sedução pelas hipóteses imaginadas[2], aplicando-se o que foi dito sobre heurísticas e vieses[3]. Logo, não se pode acreditar que todos que desejarem podem investigar. A fixação de “quem”, “onde”, “como” e “quando”, poderá promover investigação é de importância democrática fundamental. Daí os perigos de um “Inquisidor de Terno/Toga” se meter a realizar atividade investigatória desprovida de meios adequados e vinculada à recompensa, sem afastamento objetivo, subjetivo e cognitivo[4]. Pior ainda quando investigador se arvora também no papel de futuro julgador.

          Se é local, se pergunta o LOCAL que estudei, então utiliza-se “onde” e não “aonde”, porquanto, esse último termo, refere-se sempre a algo em movimento.

          Sem mais. Dá uma lida ai.

      1. O Caso Foi Que A PGR, Aparelhada Pelo Bozolóide, Se Omitiu. Por Isso, A Nossa Suprema Corte Agiu. Isso Foi Ratificado Por 11 Ministros.

        1. Você está buscando razões para justificar um juíz agir de Ofício. Um juíz não militar, como muitas vezes fez, e nem age de ofício.

  8. Um general faltou com a verdade!? é isso mesmo?! Coitado do Caxias, um bando de pangaré usando a sua espada, deve estar dando murro e chutando a parede do mausoleu de raiva. O general usou de uma mentira para que um ministro do STF não usasse o espaço é isso mesmo?! Da próxima vez em que um soldado faltar o serviço, ou chegar atrasado, dizendo que o ônibus furou o pneu a vovózinha morreu, eu vou ser obrigado a acreditar.

  9. Bom dia a todos.

    Pergunta:
    por qual motivo o ministro frequentava a academia do CPP quando a muitos militares esse acesso é negado?
    Todos nós devemos ser corretos, probos e honestos!
    Sem cervilismo de qualquer ordem!
    Também devemos ser minimamente esclarecidos!
    Chega de servilismo!
    A propósito: onde está o Congresso Nacional?
    O “mecanismo Nefasto” e corrupto está presente em todas as instituições.
    Mundo distópico!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo