Escolha uma Página

Chefe da Aeronáutica não gostou das críticas da parlamentar, que reclamou da demora na expulsão do sargento preso com cocaína na Espanha

Junio Silva
O comandante da Força Aérea Brasileira (FAB) rebateu publicamente uma crítica da deputada federal Joice Hasselmann (PSDB) após a expulsão do sargento preso com cocaína na Espanha. A parlamentar chamou a demora no processo de exclusão do militar de “conveniente”.
“Somente dois anos após a condenação, a FAB expulsou o sargento preso por tráfico de cocaína. Manoel foi preso em 2019, na Espanha, e até então continuou recebendo salário e até bônus! Demora conveniente”, disse a ex-aliada de Jair Bolsonaro (PL).


No Twitter, o tenente-brigadeiro do ar Baptista Jr, comandante da Força Aérea Brasileira, saiu em defesa da FAB e rebateu as críticas da parlamentar.
“A menos que a senhora saiba a quem seria conveniente, caso em que deveria denunciar, sua postura é lamentável, pois que [sic] ataca a instituição Força Aérea Brasileira, a qual tenho o dever de defender”, disse.


O sargento Manoel da Silva Rodrigues, expulso da FAB nessa quinta-feira (11/5), foi preso em 2019 com 37 kg de cocaína em um aeroporto de Sevilha, na Espanha. Lá, foi condenado a pena de 6 anos e 1 dia em regime fechado.
No último dia 15 de fevereiro, cerca de 3 anos depois do episódio, a Justiça Militar da União (JMU) condenou o sargento a 14 anos e 6 meses de prisão, por tráfico internacional de drogas.
Manoel Silva Rodrigues, pelo menos até novembro de 2021, ainda recebia salários e gratificações da FAB. Na época, a Força Aérea Brasileira afirmou que esperava o tramite do processo na Espanha transitar em julgado para excluir o militar do quadro de remunerações.
METRÓPOLES/montedo.com

Skip to content