Escolha uma Página

Por Raquel Landim e Thais Herédia, CNN
O chefe da Casa Civil, general Walter Souza Braga Netto, vai coordenar o plano de reconstrução da economia brasileira, que vem sendo apelidado de “Plano Marshall”. Ele conta com o apoio dos ministros do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Os três tem conversado constantemente sobre o assunto.
O ministro da Economia, Paulo Guedes, também faz parte do grupo de trabalho, mas há resistências na sua equipe. Segundo apurou a CNN, a área técnica defende que o país não tem recursos para bancar investimento público depois de passado o pico da pandemia no Brasil.
Nesta segunda-feira (20), a Casa Civil publicou uma resolução instituindo um grupo de trabalho para “coordenar ações estruturantes e estratégicas para recuperação, crescimento e desenvolvimento do país”.
O grupo conta com 19 membros das mais diferente áreas do governo e tem prazo de 90 dias para elaborar as propostas – ou seja até meados de julho.
Também serão ouvidas sugestões dos empresários. Na quinta-feira, Braga Netto participa de uma videoconferência com mais de 40 presidentes de grandes empresas para ouvir os diferentes setores e coletar as sugestões.
Segundo fontes próximas às discussões, Guedes não é a pessoa certa para tocar essa iniciativa, porque tem uma visão liberal demais e, neste momento, o país precisa de ações mais desenvolvimentistas. A equipe do ministro argumenta que o foco agora é colocar em prática as medidas que já foram adotadas e definir a melhor forma de reinserção de trabalhadores no mercado. A previsão é de uma alta considerável da taxa de desemprego nos próximos meses.
Na discussão sobre a retomada, a equipe econômica aposta num agressivo programa de concessões e privatizações para dar o impulso necessário à recuperação da atividade. “O dinheiro para investimentos terá de vir da iniciativa privada. O recurso público precisa dar prioridade à segurança do emprego, dos investimentos e da estabilidade dos negócios”, disse à CNN um assessor técnico do ME.
A visão no Planalto é que as medidas adotadas pelo Ministério da Economia são importantes para conter a crise detonada pela epidemia do novo coronavírus, mas insuficientes para o país voltar a crescer.
Até agora as iniciativas da equipe econômica já superam R$ 1 trilhão. No entanto, boa parte é atraso no pagamento de impostos e dívidas. O montante de “dinheiro novo” é de pouco mais de R$ 300 bilhões.
Pessoas próximas à discussão dizem que, se não forem implementadas medidas de “arranque” da atividade, a reeleição do presidente Jair Bolsonaro pode estar comprometida. A área técnica da Economia concorda no mérito, mas tenta defender os cofres públicos, preocupada com a alta do endividamento que já está contratada antes mesmo da crise dar sinais de arrefecimento.
O mercado financeiro já projeta uma queda de 3% do PIB brasileiro, enquanto Banco Mundial e FUndo Monetário Internacional estimam recuo de 5%.
Também serão ouvidas sugestões do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão presidido pelo economista Carlos Von Doellinger. Ele determinou aos pesquisadores que trabalhem na sugestão de um “Plano Marshall”
Segundo Doellinger, as propostas englobam quatro eixos: recuperação das cadeias produtivas e infraestrutura, estímulo às exportações e promoção comercial , medidas sociais de estímulo ao emprego e ações macroeconômicas.
“São apenas sugestões que podem ser implementadas ou não”, disse Doellinger à CNN. Ele afirma que as ações macroeconômicas buscaram dar sustentabilidade fiscal às medidas e apontar caminhos para o seu financiamento.
CNNBrasil-montedo.com

Skip to content