Escolha uma Página
Randolfe diz ter levado soco de Bolsonaro no Rio; deputado nega
Parlamentares discutiram na entrada do prédio do antigo DOI-Codi.
Senador afirma que entrará com representação no Conselho de Ética.
Comissão da Verdade e Justiça visita as antigas instalações do Doi-Codi, em quartel do Exército na Tijuca. Na foto, deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que acabou entrando com a comissão, discute com o senador Randolf Rodrigues (Psol-AP). (Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo)
Deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) discute com o senador Randolfe Rodrigues na entrada da Comissão da Verdade do Senado no prédio do antido DOI-Codi (Psol-AP). (Foto: Márcia Foletto/Agência O Globo)
Alba Valéria Mendonça
Do G1 Rio
O senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) diz ter sido agredido com um soco na barriga pelo deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) nesta segunda (23) pouco antes da visita de integrantes da Comissão da Verdade do Senado e da Câmara do Rio de Janeiro ao prédio do antigo DOI-Codi, atual 1° Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. Bolsonaro nega a agressão.
A confusão teve início quando Bolsnoraro, que não pertence a nenhuma comissão, quis se juntar ao grupo que fez a visita ao prédio e foi rechaçado pelo senador João Capiberibe (PSB-AP). Houve empurra-empurra e xingamentos. Na confusão, o senador Randolfe diz ter levado um soco de Bolsonaro.
“Ele claramente nos agrediu na entrada covardemente. Eu e Capiberibe tentamos impedir a entrada dele. Ele usou o mecanismo de entrada por baixo. É o procedimento dele, que todos conhecem. Mais uma vez a presença do Bolsonaro aqui era para tumultuar e impedir que a visita se concretizasse. Ele não acompanhou o roteiro da visita. Ele não cumpriu seu objetivo. O Bolsonaro é um Brasil que nós vamos virar a página”, disse. O senador afirmou que irá entrar com uma representação no Conselho de Ética contra o deputado.
Depois da confusão, Bolsonaro acabou entrando no prédio. Ele contou que fez a visita ao local a uma distância dos membros da comissão. “Fiquei a uns dez metros de distância para não me misturar. Visitei o prédio todo e depois fui tomar um café na sala da Companhia de Motos. O Capiberibe colocou a mão no meu peito e não queria me deixar entrar. Houve uns empurrões, mas entrei mesmo assim. Para a infelicidade de vocês (jornalistas) não houve agressão, como vocês gostariam. O senador Randolfe gritou, me chamou de ‘vagabundo’ e outros elogios, por assim dizer, mas não houve agressão. A democracia que eles defendem é assim, não aceita o contraditório”, disse Bolsonaro.
O objetivo da visita desta segunda (23) é ser o ponto de partida para uma campanha que visa transformar o local num centro de memória, a exemplo do que foi feito no antigo Dops de São Paulo e em centros de tortura na Argentina, no Uruguai e no Chile
Manifestantes fazem protesto em frente ao batalhão na Tijuca (Foto: Alba Valéria Mendonça / G1)
Manifestantes protestam em frente ao batalhão na Tijuca (Foto: Alba Valéria Mendonça / G1)
Pela manhã, manifestantes fizeram um protesto em frente ao quartel reivindicando a reabertura dos arquivos da época da ditadura militar e a punição para as pessoas que serviram ou trabalharam para o regime. (Colaborou o G1, em Brasília)
G1/montedo.com
Skip to content