Escolha uma Página
Vasco x Flamengo no Haiti: em meio a 30 mil desalojados do terremoto, as emoções e as dificuldades para torcer
Os militares a serviço da ONU presentearam com camisas do Vasco e do Flamengo as crianças haitianas Foto: Arquivo pessoal
Raphael Zarko
Enraizados na guerra civil haitiana desde 2004, os militares brasileiros encontram histórias de vida que levam para sempre nos meses que passam no Haiti. Numa das muitas noites de patrulha em Porto Príncipe, um grupo de fuzileiros ouviu uma haitiana pedindo socorro. Ela estava dando a luz no meio da rua da capital haitiana.
Militares brasileiros posam com crianças haitianas Foto: Arquivo Pessoal
– Não é raro que mulheres daqui peçam ajuda para ter seus bêbes, mas desta vez a surpresa foi muito grande. Eram trigêmeos. Esse episódio marcou todos nós – lembra o tenente da Marinha Leandro Raposo, que também se arrepiou numa das ações de ajuda comunitária que fazem na cidade.
Os militares posam para foto com os mini-craques haitianos Foto: Arquivo pessoal
– Fizemos palestras no Dia Mundial da Água. Depois, distribuímos alguns brinquedos para todos. Ia embora e senti a mão me puxando. Era uma menina com uma boneca que havia entregue. Ela me puxou, me deu um abraço e saiu correndo. Ali, percebi a sinceridade do gesto e como nosso trabalho no Haiti era reconhecido.

Difícil, às vezes, é torcer
Com missões para conter qualquer sinal de violência e até para cooperar na criação de colônia de pescadores, os militares passam até mais de uma semana longe dos abrigos e dos computadores, que tem limite de conexão para os 292 fuzileiros.
– É normal um goleiro defender e quando a internet volta já saiu gol do outro lado – lembra o tenente Herbert Medeiros, que relata o drama da eliminação do Flamengo na Libertadores, quando acompanharam o finalzinho de Olimpia e Emelec.
O tenente Leandro Raposo entregou 15 camisas do Flamengo às crianças Foto: Arquivo pessoal
– Ali foi complicado. Só me situei do resultado final uns cinco minutos depois do jogo ter acabado. A internet travava e demorava a atualizar. Pelo Skype as famílias mudavam de resultado toda hora, não sabia se era brincadeira ou se era real – diverte-se o flamenguista, que, claro, teve que sofrer com as gozações dos vascaínos.
Projeto de futebol parado
Um dos países mais pobres do mundo – mais da metade da população vive com menos de 1,25 dólar por dia –, o Haiti é uma antiga colônia francesa de 28 mil quilômetros quadrados e incalculáveis problemas políticos, econômicos e sociais. No terremoto de 2010, estima-se que 80% das construções da capital Porto Príncipe foram danificadas.
O Brasil, como responsável pelo processo de pacificação no Haiti, comanda mais de sete mil soldados no país. Da iniciativa deles, surgiram as Ações Cívico Sociais para o povo. Além de palestras sobre diversos temas, doações e distribuições de produtos de maior necessidade e outros serviços, os militares criaram também uma escolinha de futebol.
– O projeto começou com a gente, mas como a proposta é que o Haiti se torne auto-sustentável, eles tocaram o projeto. Mas, infelizmente, o futebol, hoje, está parado – lamenta o tenente Herbert Medeiros.
Em 72ª no ranking da Fifa, uma participação em Copa (1974) e 12 times na liga nacional, o Haiti tenta se reorganizar também no futebol. Campeão caribenho de 2007, os haitianos foram desclassificados na fase preliminar das eliminatórias da Copa de 2014. Ficou em segundo no grupo que tinha Curaçao, Ilhas Virgens e Antígua e Barbuda, a primeira colocada.
Extra/montedo.com
Skip to content