Escolha uma Página
Força Militar: Marinha pune quem usa bicicleta

MARCO AURELIO REIS
Rio – A obrigatoriedade para adoção do Bilhete Único pelos militares que servem nas unidades da Marinha no Estado do Rio chegou ao ponto de resultar em punição ao pessoal que chega ao quartel de bicicleta sendo “beneficiário” do adicional que custeia passagens de ônibus.
O caso acontece na respeitada sede dos Comandos Anfíbios, o Batalhão Tonelero, em Campo Grande. Os homens superpreparados para operações especiais de risco deixaram de receber o auxílio-transporte que custeava todas as passagens de transporte coletivo de forma integral. No lugar, deveriam receber o cartão do Bilhete Único, que garante custo menor por representar tarifa de integração.
“Passamos a receber o valor do Bilhete Único em dinheiro e temos que nos virar para botar crédito no cartão e usar a integração”, conta praça que serve na unidade.
No caso do Município do Rio, quem pega dois ônibus no trajeto casa-quartel paga R$2,75 e não duas passagens. Um militar do Batalhão Tonelero que, por exemplo, recebia R$ 300 de auxílio-transporte passou a ganhar R$ 190, em dinheiro. “Lá, até o setor de inteligência está mobilizado para informar quem recebe o dinheiro e vai para quartel de bicicleta ou carona. Quem é descoberto, é punido. Como se já não bastasse a remuneração baixa”, conta outro praça.
O Dia Online/montedo.com
Skip to content