Escolha uma Página
Faleceu neste 16 de outubro, devido a falência múltipla de órgãos o Sr. Allyrio Verlangieri de Castro, combatente da 2ª Guerra Mundial – Campanha da Itália (1944-1945), que integrou 9° Batalhão de Engenharia– da Força Expedicionária Brasileira (FEB), primeira tropa brasileira a entrar em combate no Front italiano a 06 de setembro de 1944.
O Pracinha (como são chamados os Combatentes da FEB) Allyrio Verlangieri de Castro, serviu na 2ª Companhia de Engenharia de Combate durante a Campanha da Itália, sob o comando do legendário Capitão Raul da Cruz Lima Junior que registrou a ação de guerra de sua Companhia de Engenharia no livro “Quebra Canela: A Engenharia Brasileira na Campanha da Itália.”
O Cabo Allyrio Verlangieri de Castro, como integrante do 9º Batalhão de Engenharia Expedicionário, é citado como destaque por diversas vezes na obra Quebra-Canelas, por sua atuação em Campanha.
O “Héroi de Guerra” Allyrio participou dos principais combates travados naquele Teatro de Operações, como lê-se na obra em comento, tendo se destacado no ataque a localidade de Montese, que se configurava num baluarte das forças alemãs empregadas naquele teatro de operações.
A Batalha de Montese foi a epopeia, mais sangrenta da vitória da Força Expedicionária Brasileira (FEB), com 426 baixas em combate tendo os integrantes do 6º Pelotão da 2ª Companhia de Engenharia de Combate a honra de terem entrado primeiramente em Montese, lado a lado com a Infantaria.
Durante a Tomada de Montese, o Cabo Allyrio, integrando o 6º Pelotão da 2ª Companhia de Engenharia de Combate, foi escalado com seu pelotão a acompanhar o ataque da 1ª Companhia de Infantaria do 11º Regimento de Infantaria, tendo permanecido no ataque àquela localidade por quatro jornadas, conforme palavras do Coronel Raul da Cruz Lima Júnior: “Parece impossível que tendo passado por tantas peripécias, no trato das minas e sob pesados bombardeios, apenas tivemos feridos naquele Pelotão (. . .) além do Alyrrio Verlangieri (. . .) seu apoio às operações de Montese se fizera de maneira marcante, derramando o próprio sangue em operações arrojadas. . .”
Seu Allyrio, como era chamado carinhosamente por militares e civis, rebebeu do governo brasileiro em reconhecimento por sua atuação na Campanha da Itália a Medalha Cruz de Combate de 1ª Classe, Medalha Sangue do Brasil, além de diversas outras comendas de entidades civis e militares.
Após a guerra, ao licenciar-se das Forças Armadas, integrou-se a comunidade sendo cidadão útil, empenhado em servir ao Brasil, não buscando a glória ou louvores por seu heroísmo.
Na atualidade, quando àqueles de memória curta parecem se esquecer dos perigos dos discursos segregacionistas, dos totalitarismos de todas as matizes ideológicas, a morte do Herói de Guerra Allyrio Verlangieri de Castro, nos remete a reflexões dos horrores da guerra e de suas consequências para a população de qualquer país atingido pelos seus efeitos.
Além da necessidade de todo cidadão de combater qualquer tentativa de imposição de regimes que ameassem a paz social e a democracia.
Neste dia, a família enlutada perde um pai de família exemplar, cidadão honrado que teve uma vida ilibada e proba. O 9º Batalhão de Engenharia de Combate e o Exército Brasileiro, a cidade de Aquidauana e o Brasil perdem um herói, que contribuiu com seu sacrifício anônimo, com seu sangue, na luta contra o totalitarismo, colaborando para a construção de um mundo mais justo e democrático.
À família do Senhor Allyrio Verlangieri de Castro as condolências da sociedade aquidauanense e de seus irmãos d’armas do 9º Batalhão de Engenharia de Combate.
ABÍLIO SIZINO DE LIMA FILHO – CORONEL
Comandante do 9º Batalhão de Engenharia de Combate
9º BATALHÃO DE ENGENHARIA DE COMBATE
A CASA DO ENGENHEIRO EXPEDICIONÁRIO
Imagens do livro QUEBRA CANELA,
de Raul da Cruz Lima Jr.
Skip to content