MP Militar pede investigação para apurar compra de filé mignon por Forças Armadas

churrasco

MPM identificou a existência de dois fornecedores com preços diferentes que venceram o mesmo pregão

Bela Megale

O Ministério Público Militar solicitou a instalação de inquérito policial militar para apurar indícios de irregularidades em dois pregões realizados para compra de filé mignon destinado às Forças Armadas.

No seu relatório, a procuradora de Justiça Militar Najla Nassif Palma pede que os principais agentes públicos envolvidos nos pregões realizados em 2019 e 2020 sejam ouvidos.

Os pregões de filé mignon são período em que o general da reserva Braga Netto era o ministro da Defesa, no governo Bolsonaro. Filé mignon não foi o único alimento de luxo que as Forças Armadas compraram sob a gestão do ex-ministro, alvo de buscas da Polícia Federal na quinta-feira passada. O cardápio do comando da Marinha, Aeronáutica e Exército incluía picanha, salmão, conhaque, uísque e cerveja puro malte.

O MP identificou a existência de dois fornecedores com preços diferentes que venceram o mesmo pregão. O dado mostra que as Forças Armadas não priorizaram o preço mais baixo. Segundo o relatório, foram registradas compras de 650 quilos de carne da Ravi Comércio Atacadista e Alimentos no dia 27 de janeiro de 2020. O documento informa que mais 670 quilos foram adquiridos em 11 de março de 2020. Nestas duas compras, o preço do quilo foi de R$ 41,28.

No entanto, as Forças Armadas também compraram 1.500 quilos da proteína de outra empresa, a GN Alimentos Ltda, em 11 de março de 2020. A mesma companhia forneceu 19.800 quilos, entre os dias 9 de julho e 18 de agosto de 2020. O preço do quilo pago nessas compras, porém, foi mais barato, de R$34,66.

A procuradora também questiona o fato de as Forças Armadas terem adquirido 20 toneladas da carne nobre para consumo em poucos meses. Os pedidos estão baseados em uma ação do ex-deputado federal Elias Vaz, que denunciou a suspeita de compras irregulares, em abril de 2022.

O GLOBO

14 respostas

  1. Cá pra nós, neste vendaval de investigações graves envolvendo militares o MPM passou aa largo, junto co o STM, vá lá que existem os crimes que não estão em sua alçada o que não ocorreu em sua totalidade. Daí vem puxar um pregão de 2019, que estava disponível para consulta à cinco anos…

  2. É senhores, no final da carreira frequentei seus fartos e luxuosos cassinos (3ª Bda Inf Mtz).
    Um Exército suntuoso dentro doutro Exército.
    Nem parecia o Exército de “Caixias”.

  3. Havia um Chefe de EM que quando o general estava “vuandú” arrecadando umas diárias, o Cel, irmão de balança do Pançuello, ordenava o Aprov de mandar confeccionar petit gateau por toda semana.
    Num feliz dia de gordices e pazuellices a ‘crionça’ meteu prá dentrú 10 poções do docinho light.
    Seus olhinhos brilhavam de felicidade (brutal senhor da guerra).
    Só não comia mais por que é muito educado.
    Que categoria!
    Rsrsrs

  4. Bem, se houve irregularidade na licitação (o que é mais comum em toda a Administração Pública) que os responsáveis, ao final, sejam punidos.

    Mas é muito curioso o tom da reportagem. Pois, dá a entender que é um absurdo os militares das FA consumirem “filé mignon”?!?!

    Ora, se é pela economia do erário, então que se cancelem todas as compras nos “palácios” dos Poderes e seus órgãos diversos, como lagosta, vinhos envelhecidos e com tantos prêmios, caviar e por ai vai.

    Em nome da austeridade, que toda a Administração Pública passe a consumir “chupa molho”.

  5. Comparando a reportagem com o cardápio de certas autoridades, concluímos o seguinte:

    No Brasil, o soldado das FA que é obrigado a servir 12 meses recebendo uma ajuda de custo de pouco mais de um salário mínimo não pode comer filé.

    Mas um ministro da corte suprema de justiça, que recebe só de subsídio quase 45 mil reais, tem à disposição vinhos caríssimos, lagostas e afins, no almoço, tudo custeado pelo mesmo erário proibido de comprar filé para o soldado.

  6. Nos escândalos do azulzinho, leite moça, picanha, cerveja, uísque, camarões VG, golpe e ainda tem mais espaço para filé mignon? A barriga desses oficiais não tem fundo não?

  7. Filé mignon só para oficiais mesmo, olha o que fizeram na restruturação de carreira para os oficiais tudo só beneces para os praças pau na moleira principalmente nos Sgts do qE e suas pensionistas governo JB pior de todos os tempos…

    1. Apresente provas, por favor! Denúncias vazias nao se sustentam. O problema não é o produto, pois esta na licitação e é público, então reclame ao TCU que admite Denúncias do cidadão, o problema é a maracutaia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo