16 militares são alvos da Operação Tempus Veritatis

POLÍCIA FEDERAL

Por determinação do STF, estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva em nove estados e no Distrito Federal

A Operação Tempus Veritatis, deflagrada nesta quinta-feira, 8, pela Polícia Federal, tem 16 integrantes das Forças Armadas entre os alvos. O ex-comandante da Marinha Almir Garnier Santos é um deles.

Segundo as investigações, os militares teriam participado da elaboração de um golpe de Estado para obter vantagem de natureza política com a manutenção do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) no poder.

Em comunicado, a Polícia Federal informou que as apurações apontam que o grupo investigado “se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas eleições presidenciais de 2022”, antes mesmo da realização do pleito, para “viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”.

“O primeiro eixo consistiu na construção e propagação da versão de fraude nas eleições de 2022, por meio da disseminação falaciosa de vulnerabilidades do sistema eletrônico de votação, discurso reiterado pelos investigados desde 2019 e que persistiu mesmo após os resultados do segundo turno do pleito em 2022”, acrescentou a PF.

“O segundo eixo de atuação consistiu na prática de atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito, através de um golpe de Estado, com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível”, completou.

Por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), estão sendo cumpridos 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva em nove estados –Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás– e no Distrito Federal.

Também foram expedidas 48 medidas cautelares diversas da prisão, como proibição de manter contato com os demais investigados, proibição de se ausentarem do país, entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e suspensão do exercício de funções públicas.

Além dos militares, Jair Bolsonaro, Valdemar Costa Neto, presidente nacional do PL, general Augusto Heleno, ex-ministro-chefe do GSI, Anderson Torres, ex-ministro da Justiça, e Walter Braga Netto, ex-ministro e candidato a vice-presidente em 2022, também estão entre os alvos.

Dois ex-assessores de Bolsonaro foram presos. São eles: Marcelo Câmara, ex-ajudante de ordens, e Filipe Martins, ex-assessor internacional do governo Bolsonaro.

O Antagonista

10 respostas

  1. Não houve fraude nas eleições mas até agora o reclamo dos indígenas que dizem ter votado em Bolsonaro e cujos votos não apareceram nas urnas estão todos caladinhos e ninguém fala mais nisso.

  2. Pelo andar das narrativas ainda vamos ver todo o alto comando sendo substituído, investigados e presos. É só esperar o comando dos guerrilheiros Zé Dirceu e do Zé Genoíno, comendo pelas beiradas.

  3. Desconfiar do processo eleitoral não consiste em crime. Desde as urnas transportáveis com as cédulas pelas forças de segurança acompanhadas de um juiz eleitoral já se desconfiava e assim mudou-se o sistema para o transporte do disquete, sem cédulas, e sem visibilidade na contagem dos votos, apenas apuração eletrônica, sem recibo. O voto impresso foi aprovado, chegamos a comprar algumas urnas com as impressoras, e depois de 2016 o voto impresso foi desaprovado. Qual é o medo? Que tipo de democracia relativa é essa?

    1. Agiam contando 1000 vezes uma mentira, com apoio midiático e propaganda para emplacar as mentiras por verdades. Foi vc? Não foi? Foi ele! Foi a baleia, etc. É só rever a história para ver o que aconteceu. São ciclos!

  4. Então o “golpe” foi arquitetado por 16 militares com apoio de militares com conhecimentos e táticas de forças especiais no ambiente politicamente sensível? O quê seria isso, ambiente politicamente sensível? Putz… não se cansam de inventar histórias!

  5. Ninguém está inventando histórias ou os vídeos são o que? Não adianta mesmo os Bolsonaristas patriootarios chegam ao ridículo de quererem justificar o injustificável. Pois contra os fatos não há argumentos simples assim. Se cumpra a lei e viva e democracia e não o golpe.

    1. Quais vídeos? Onde estão os vídeos do Flávio Dino? É verdade que a lei tem que ser cumprida e não o arbítrio, o absolutismo, mas o processo legal, sumário, tolerância zero para os criminosos, ladrões, saqueadores que causam a sangria da nossa economia.

      1. Concordo com você, bozo ao entregar a Petrobras ao capital internacional condenou um pais inteiro ao subdesenvolvimento, afinal ele faz parte das prostitutas do capital internacional de que falava o grande Eneias carneiro!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo