Na ‘hora h’ as Forças Armadas ficaram do lado da legalidade, diz Barroso

(crédito: Carlos Moura/SCO/STF - 29/5/19)

Brasil viveu momentos de sobressalto e angústia nos últimos anos em relação a democracia, afirmou o ministro do STF

LARISSA QUINTINO

Questionado se houve temor pelas instituições democráticas brasileiras nos últimos anos durante o Brazil Economic Forum, em Zurique, na Suíça, o presidente do Supremo Tribunal, Luís Roberto Barroso, disse nesta sexta-feira, 19, que o Brasil viveu momentos de sobressalto e angústia nos últimos anos em relação a democracia, mas que “na hora h, as Forças Armadas ficaram do lado da legalidade” e que “não há golpe sem as Forças Armadas”.

Barroso afirmou que o Supremo tenta diminuir a animosidade vinda de uma parcela da sociedade. “Durante quatro anos o Supremo teve sobre severo ataque do antigo presidente. Ele não se elegeu, mas teve quase 50% dos votos e muita gente se identifica com esse discurso, que vê o Supremo como problema. Tentamos mostra que o Supremo é parte da solução do Brasil”. “Democracia não é consenso, mas há um ano eu não sou insultado”, completou.

Radar Econômico (veja)

17 respostas

  1. Falar em Forças Armadas, ontem estava Percorrendo as instalações do Hospital Militar de Área do Recife, um Gen Ex 4 estrelas do Ministério da Defesa. acompanhado pelo atual diretor do HMAR que é um Coronel Infante e o sub Diretor um Ten Cel de Artlharia.
    Fica a pergunta que não quer calar não existem médicos no HMAR para assumir a direção do mesmo, o que houve com o antigo diretor médico que foi exonerado, estava adoentado?
    As coisas estão complicadas no HMAR, só estão encaminhando para OCS caso de Urgência (risco de vida) , não tem dinheiro para nada. Complicado !!!!!

    1. Os casos em que militares combatentes passam a dirigir organizações militares de Saúde estão ligados a intervenção do Comando para sanar irregularidades graves no local.

      1. E não teríamos oficiais médicos à altura de tal intervenção?

        Colocar um infante e um artilheiro para dirigir um Hospital, independente da finalidade, é carimbar mesmo que temos um Exército “administrativo”. Ou seja, formam-se combatentes para administrar e não para combater.

        Se não confiam em seus médicos, que nomeassem ao menos um intendente, pois fora formado para a atividade administrativa, para a administração.

        1. Temos vários, o problema é que eles são perseguidos e infernizados por esse pessoal de arma que não se contenta em ficar brincado de soldado e guerra nos quarteis.

          Olhe a iniciativa privada e veja como é. A iniciativa privada é eficiente pois lida com lucro. Ache um coronel desses em qualquer função. Qualquer.

          Isso e serio. Nossa saúde não é faz de conta. Nós morremos de verdade diferentemente das baixas dos jogos de guerra

      2. Engraçado, pq não contratam eles no sírio libanês ou no albert einstein?
        São sociedades anônimas que primam pela eficiência, o que está havendo, todo ano centenas indo para reserva e ABSOLUTAMENTE NENHUM gerenciando um hospital.

        Que fiquem no quartel fazendo formatura e recebendo general. No Albert Einstein ninguém recebe general com guarda em forma, recebem doente com maca em forma.

        Isso é um absurdo. Por isso que os médicos de carreira vão todos embora, eles não aguentam ter por chefe alguém que não estudou, não sabe de nada além de regulamento de uniforme e faxina, mais esse assunto é sério, é a saúde dos nossos que está sendo colocada nessa brincadeira que a gente vive todo dia.

        Isso é sério! Isso é perigoso! Hospital não é brincadeira, vida humana não é pais azul que pode ser “resetado” no final da brincadeira, com tudo acabando com uma bela formatura e um coquetel.

        Médico no hospital
        Artilheiro no GAE
        Infante no BIS

        Cada um no seu quadrado!

      1. No HMASP e em qualquer hospital particular ou público do Brasil!
        Que criem mais quarteis ociosos para os meninos brincarem de ser rei, mas deixem os hospitais com quem estudou.
        Saúde é coisa séria. Não é jogos de guerra que as mortes são fictícias

  2. Que legalidade? Só se for a relativa como disse Lula! Generais é Coronéis gordos com vida abastada ganhando muito bem obrigado e cheios de regalias, jamais vão trocar isso pela Pátria, aliás o juramento é mera formalidade

    1. Quando o general do GSI foi interrogado na cpi sobre pq nao defendeu com o sacrifício da própria vida o patrimônio cultural brasileiro, ele respondeu que seguia a máxima de rondon: “morrer se preciso for, matar nunca”.

      Ele realmente jurou defender as INSTITUICOES com o sacrificio da propria vida. Mas falou isso e está no youtube.

      Esse juramento é pro forma. Nao somos de combate, somos de ACISO.

  3. Esse Senhor falar em legalidade depois de invadirem competências do Executivo e do Congresso, prisões ilegais sem a participação do MPF, com o silencio absurdo da OAB, é o cúmulo do escárnio legalista. Quero ver se o Congresso resolver mandar fazer buscas e apreensões nos gabinetes dos tribunais superiores como vai ficar.

      1. Kkkkkkkkk

        O Rui Costa Pimenta do PCO deve ser um bolsominion também porque faz as mesmas críticas.

        No começo é tudo muito engraçado mesmo, depois a graça vai acabando e ficar o choro e ranger de dentes.

        Mas Boa sorte aos que vão permanecer se aventurando em Banânia.

  4. Só tem 3 poderes hoje no Brasil e Mullah, STF e TSE lambe suas botas e se não cumprirem com o mando volta prá casa e prá cadeia: É o presidente do Senado, o Presidente da Câmara Federal e as FFAA. E os mídias que serviam a esse governo estão começando a virar a ficha.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo