Comandantes de Bolsonaro não deverão depor à CPMI

comandantes das Forças Armadas 2

Apesar do desejo da relatora Eliziane Gama, os três comandantes das Forças Armadas no governo Jair Bolsonaro não deverão depor à CPMI do 8/1

Paulo Cappelli
Apesar do desejo da relatora da CPMI do 8 de Janeiro, senadora Eliziane Gama, os três comandantes das Forças Armadas no governo Jair Bolsonaro não deverão depor à comissão parlamentar de inquérito.

Os ex-chefes da Marinha, almirante Almir Garnier; do Exército, general Freire Gomes; e da Aeronáutica, brigadeiro Baptista Júnior, entraram na mira da CPMI após o ex-ajudante de ordens Mauro Cid dizer, em delação, que a cúpula militar discutiu um golpe de Estado, no ano passado, após a vitória eleitoral de Lula.

Ocorre que o presidente da CPMI, deputado Arthur Maia, só pautará a convocação do trio se os governistas aceitarem que, junto, também seja pautado o depoimento de integrantes da Força Nacional acusados por bolsonaristas de omissão na depredação aos Três Poderes.

“É necessário que haja equilíbrio. Não se pode votar unicamente requerimentos que beneficiem apenas um dos lados. Ou há acordo para que ambos os requerimentos sejam apreciados ou nenhum deles será”, disse Arthur Maia à coluna.

Como o objetivo da oposição é relacionar a suposta falha da Força Nacional ao ministro da Justiça, Flávio Dino, aliados do governo não deverão aceitar o acordo proposto por Arthur Maia.

METRÓPOLES

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo