Possível nomeação de coronel do Exército como Secretário gera protestos de policiais penais em SC

Coronel Freibergue (esquerda) e o governador Jorginho Mello - SC (Foto: Eduardo Valente/SECOM

Com coronel do Exército cotado para a SAP, policiais penais fazem carta aberta a Jorginho
Servidores pedem nomeação de funcionário de carreira para o comando da secretaria

Ânderson Silva
[email protected]

A troca de comando do sistema prisional em Santa Catarina gera reações entre a categoria. A coluna trouxe, nesta semana, a informação de que o governador Jorginho Mello (PL) cogita nomear o coronel da reserva do Exército Rubem Freibergue do Nascimento, atual número 2 da SSP-SC, para comandar a secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa. A escolha se dá diante da insatisfação de Jorginho com o atual secretário da pasta, Edenilson Schelbauer, e o adjunto dele, Neuri Mantelli. No entanto, os policiais penais e agentes socioeducativos fizeram uma carta aberta ao governador cobrando que o novo secretário seja um funcionário de carreira.

O documento é assinado pela Associação dos Policiais Penais e Agentes de Segurança Socioeducativos do Estado de Santa Catarina. Os servidores reconhecem que o cargo é de livre escolha do governador, mas lembram que Jorginho prometeu na campanha que escolheria um profissional da carreira para a cadeira de secretário: “Essa promessa reforça a relevância de se considerar a permanência de um servidor de carreira no referido cargo, levando em conta a complexidade e as particularidades que envolvem a atuação da Polícia Penal e Socioeducativo”.

Em duas páginas, a entidade defende a importância de que a escolha saia de dentro da SAP: “A permanência de Servidores de carreira nos cargos de Secretário e Adjunto trarão estabilidade, expertise e engajamento em prol do desenvolvimento do sistema prisional e socioeducativo de nosso Estado. A valorização dessa carreira é fundamental para alcançarmos um sistema prisional mais justo, humano e eficiente, que atenda às demandas da sociedade”.

Para concluir, eles pedem diretamente a Jorginho: “Diante do exposto, pedimos respeitosamente que Vossa Excelência considere o anseio da classe e reavalie a indicação para os cargos de Secretário e
Adjunto da Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa, priorizando a permanência de um servidor de carreira em tal função, em cumprimento à promessa anteriormente feita”.

O governador, entretanto, já se mostrou insatisfeito com a escolha inicial. Jorginho disse, em entrevista à NSC, que preferiu servidor de carreira para assumir a SAP, mas que nem sempre isso dá certo. Sinal de que a troca vem e não passará por uma pessoa da categoria.

nsctotal

5 respostas

  1. Minha bela SC, como pôde se entregar as ideias bozóides. Agora, tá mais para Sanatório que pela sua beleza, a qual foi consumida por essa maluquice.

  2. O Policial Penal que tem que se preocupar com a segurança dos presídios, sob risco de rebelião e ataque de facções como o PCC que ameaça capturar presos, bem como recaptura de foragidos e escolta, agora vai pintar meio fio kkkk

  3. Esse tipo de Politização das FA é que deveria ser extinta.

    Oficiais superiores e até generais quando estão perto da reserva passam a convidar políticos para visitar quartéis, distribuem medalhas e títulos de “Amigo”, etc, etc.

    Eis que quando passam para a Reserva são “surpreendentemente” nomeados para cargos na administração de Governos Estaduais.

    Essa Politização é que é incorreta. Pois usam a Instituição para promoção pessoal para angariar um cargo em comissão quando vão para a Reserva.

    E, aí, será que estão elaborando algum Projeto de Lei para acabar com esse tipo de nomeações?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo