Segunda Guerra: a missão militar americana e o projeto de defesa no litoral brasileiro

Livro Edwaldo Russell Filho

A História da Segunda Guerra Mundial continua a contribuir para o debate acadêmico e a despertar novas pesquisas ao abordar esse tema, que propõe uma contribuição da História Militar do Brasil à História Militar e à História Contemporânea.

O tema aborda um assunto que sempre está em evidência – a defesa do Território Nacional. No momento em que trabalhamos a publicação deste livro, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia já dura mais de um ano, nos fazendo repensar sobre a segurança da soberania nacional do Brasil, a defesa do nosso imenso litoral, as fronteiras e os interesses internacionais que envolvem a geopolítica mundial.
O Brasil é um país com dimensões continentais, com quase 9 milhões de km² e 48% da área de toda a América do Sul, sendo estrategicamente um dos principais países que compõem o complexo de segurança regional da América do Sul, como a UNASUL – União Sul-Americana das Nações, e o CDS – Conselho de Defesa Sul-Americano. Sendo assim, as questões de segurança da soberania nacional.
Entre 1934 e 1939, momentos políticos intensos no mundo vão trazer para nossa reflexão a Missão Militar Americana que comprova a internacionalização do assunto defesa do território nacional, principalmente em período de provável Guerra Mundial.
A publicação foi a dissertação de mestrado do capitão veterano do Exército Edwaldo Russell Filho, Mestre em História pela Universidade Salgado de Oliveira.

Compre o livro AQUI.

5 respostas

  1. – Como disse o filósofo Irlandês Edmund Burke: “Um povo que não conhece sua História está fadado a repeti-la.”. A história é cíclica, e nós brasileiro com todas as nossas riquezas naturais, devemos estar atentos a todos esses movimentos. Parabéns ao autor, valoroso oficial do Exército Brasileiro, por despertar em nós a importância da defesa e da segurança.
    Marcelo Moreira

  2. Mais um livro sobre história, geopolítica, repensar a segurança…. Mas o que todos os oficias escritores esquecem são dos seus soldados.

    Guerras são vencidas por homens motivados, bem liderados, com equipamento e armamento eficazes. Estrutura militar impecável e boa fonte de recursos. Enquanto isso Vemos o exército russo sem motivação, embora bem disciplinado, mas não eficaz em subjulgar outro exército que em 1 ano se profissionalizou com treinamento, liderança e materiais.

    caso o fator “HUMANO” não for tão importante quanto os drones, por exemplo, os soldados serão apenas números. Vide vietnã, invasão do Afeganistão, Guerra ao terror..

    1. Caro Sr Lobão. Agradeço seu comentário sobre o livro.
      Só fazer algumas observações para Apoiar e esclarecer:
      1) o livro é fruto de dissertação de Mestrado em História, no campo da História Militar do Brasil. Por tanto segue um rito acadêmico, e aprovado por banca de qualificação para obtenção do título de Mestre em História;
      2) um pouco sobre o autor: oriundo de favela do RJ, alistou-se ao serviço militar na FAB, ingressou na Marinha como Marinheiro por concurso, aprovado em concurso para Sargento do Exército após 35 anos de serviço foi incluído a Reserva Remunerada com o posto de Capitão.
      3) ao tratar do conhecimento do passado objetivamos repensar o presente e o futuro. Forte abraço.

  3. Demetrio Jean Portokalidis, Amigo pessoal do capitão autor do livro. Conheço pessoalmente o capitão convivi com ele, seus familiares todos, sem exceção. Fomos vizinhos no Rio de Janeiro. Conheço o capitão desde as favelas do Rio,capital. Conheço sua trajetória e os trabalhos que fez e ainda faz junto aos mais carentes. Portanto, se alguém mantém sentimentos ruim com militares, pode ter certeza, exclua esses pensamentos da pessoa do capitão, pois ele é um soldado patriota e exemplar. Eu sou Demetrio, nascido na favela da Maré, depois a família mudou- se para favela de vila aliança onde por mais de quarenta anos ali morei. Posteriormente fui morar na Rocinha por mais dez anos . E agora moro em outra favela. Sou nascido e criado na favela do Rio, e desde há muitos conheço o capitão Russell. Qualquer comentário que denigre sua imagem é feita por pessoas que não o conhece. Parabéns capitão pelo seu livro, parabéns pelo tema abordado . (a) Demétrio Jean Portokalidis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo