Tenente do Exército é ferido em abordagem de PMs do DF

violência policial

Uma das lesões na barriga foi provocada pelos dois pinos de metal pontiagudos da arma de choque, que transmitem a descarga elétrica

Carlos Carone, Mirelle Pinheiro
Um tenente reformado do Exército Brasileiro, 73 anos, preso após uma abordagem da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), no último domingo (14/5), no Jardins Mangueiral, em São Sebastião, ficou com diversos ferimentos espalhados pelo corpo. Uma das lesões na barriga foi provocada pelos dois pinos de metal pontiagudos da arma de choque.

A família do oficial formalizou denúncia na Corregedoria da PMDF, após o idoso ser atendido em um hospital da cidade. Ele contou que, devido aos golpes, teve um dente quebrado e ficou com vários outros hematomas pelo corpo. O militar reformado sofreu lesões na cabeça e perna.

A abordagem policial ocorreu em um ponto de bloqueio. O idoso teria sido parado por dirigir um veículo que tinha a placa com letras apagadas. O tenente reformado concordou em receber a multa, mas comentou que a chapa do veículo da PMDF estaria em situação similar. Após a observação, teria sofrido as agressões. A PMDF nega.

Veja imagens dos ferimentos:

O caso é investigado pela 30ª Delegacia de Polícia (São Sebastião). Na unidade, o PM que atuou na ocorrência afirmou que o motorista havia destratado os policiais e afirmado que, por ser “oficial do Exército, eles [os policiais militares] não eram nada, apenas forças auxiliares, que não valiam nada”.

O PM acrescentou ter usado um taser — arma de choque — contra o motorista, mas o equipamento não teria surtido efeito para conter o condutor. Assim, teria usado da força para conduzir o militar reformado à delegacia. O tenente do Exército foi liberado após assinar um termo circunstanciado de ocorrência, documento emitido em casos de delitos de menor potencial ofensivo. Além disso, registrou ocorrência na Corregedoria-Geral de Polícia (CGP) contra os policiais envolvidos.

Procurada pela reportagem, a PMDF confirmou o ocorrido, mas justificou que o uso da força se deu por causa de desacato e resistência do motorista.

“A Polícia Militar realizava ponto de bloqueio, quando abordou um veículo cuja placa estava com os sinais de identificação apagados. A equipe autuou o condutor, que se identificou como tenente do Exército, vindo a xingar os policiais militares. Diante do flagrante desacato, foi dada voz de prisão ao homem, que reagiu à ação policial. O condutor foi encaminhado à 30ª DP, onde foi autuado por desacato”, informou a corporação, em nota.

METRÓPOLES

18 respostas

  1. Tenho observado que ha um tipo de revanchismo da pm contra militares do Exército bem como de outras forças como marinha e aeronautica. se nossos chefes não tomarem uma providencia vai resultar em morte de pms. Hà uma pratica clara de desrespeito a militares das forças armadas. como a grande maioria dos militares estão armados de acordo com o regulamento militar, poderá haver desfecho em virtude de tratamento desrespeitoso a militares das forças armadas. isso é o que tenho observado. militar das forças armadas quando ocorrer um problema tem que ser comunicado pela polícia as PEs dos quarteis, e não tomar iniciativa de ferir militar das forças armadas. Isto não existe e não pode existir. Fazer justiça com as próprias mãos é crime, para isto existem autoridades para punir se for o caso.

    1. Kkkk. Em qual bar te contaram esta piada de chamar a PE? Isso não existe. Havendo flagrante, até vendedor de sorvete pode dar voz de prisão. E por causa de pessoas como você que acontecem essas situações. Aprendem tudo errado e quando são abordados querem ficar ponderando, resultando em desfechos nem sempre favoráveis ao militar federal.

      1. Kkkkkkk é a famosa jurisprudência de barzinho. São esses aí que apanham no mundo real da lei
        Fiquei morrendo de dó do tenente. Que papelão

    2. A diferença é quando os PMs erram o seu superior os defendem , e nós não temos quem nos defendam, como o delegado autua um idoso por desacato segundo os PMs, o idoso chega com o dente quebrado, dois ferimentos na testa e outras situações, somente por motivo dos PMs não gostarem de ouvir ” sou oficial do exército ou sou Sgt do Exército, eles se sentem ofendidos somente se vc falar quem é, o cidadão se sente destratado após se Identificar, o militar vai a delegacia e ninguém do Exército aparece lá e quando vai é somente para balancçar a cabeça e ficar com medo dos PMs que ficam de deboxe com a guarnição do Exército, e eles não sofrem punições di seus superiores e se sentem mais encorajados para na próxima fazer pior ainda, eu pergunto: se é ativo o quartel providenciará sindicância, se tá na reserva a SIP resolverá o que?, Fica um idoso desmoralizado parecendo cachorro vira lata na rua, perante a família e os amigos e vizinhos sem ter coragem de sair de casa enquanto os PMs cheios de autoridade após o serviço vai tomar um cerveja e tirar onda .

  2. Há um ditado que diz, “quando a cabeça não pensa, o corpo padece”

    Com os chefes militares envolvidos em tudo quanto é bandalheira, falta de caráter, covardia, subserviência, e possivelmente crimes, quem vai respeitar um pobre Tenente reformado? Ele é o corpo!

    Mas as leis foram feitas para serem cumpridas, e em nenhuma lei existe a determinação de punição física pela PM, ou outro órgão qualquer. A PM, uma instituição profissional, através de seu comando deve apurar o fato e Punir exemplarmente, não pelo fato ser um militar reformado e sim um cidadão. A punição justa e merecida, em todos os níveis, é um dos dois fatores que impedem a repetição Delituosa, o outro é o preparo intelectual para o ingresso e a formação.

    1. Tenho observado que o nível da PM caiu muito nesses últimos anos, alguns lugares viraram uma espécie de milícias armadas, onde o cometimento de crimes passou a ser parte do “profissionalismo”.
      Acredito que se não for regulado esse negócio em breve teremos um clima que desfavorece a PM pois o trabalho interagencias com o braço forte do exército e sobretudo a tecnologia disponível no blindado Guarani, como exemplo, economiza vidas de pms e torna a resposta para a segurança pública muito mais eficaz, eficiente e efetiva, coisa que não existe na segurança pública do Brasil onde as favelas são comandadas não pelo estado mas pelo crime que muitas vezes entra dentro das instituições que deveriam defende- ló.

  3. Isso tudo e reflexo desse cmt subserviente, na minha época no Rio de Janeiro o cmt da VM era o toquinho da maldade queria ver pm do rio fazer isso com militar. Abria logo um IPM e pronto. Como um senhor com 73 anos de idade pode oferecer resistência a um bando de pé de porco.

    1. Quanta ignorância nestes comentários. Um caso como este ao está em julgamento se ele era ou não oficial do Exército. Estamos falando de um idoso que foi agredido por policiais que com toda certeza usaram uma força desproporcional para a situação. Rapaz, que bando de ignorante. Tem gente que não vai chegar aos 73 anos de idade, morre muito antes. Um IDOSO FOI AGREDIDO. IDOSO.

  4. Se depender dos chefes Militares das Frouxas Armadas, militares das FFAA apanha até de vigia de rua e nada fazem, afinal os chefes estão preocupados com cargos e comi$$oe$, promoções e alguns com rachadinha$.
    O resto que Phoda.

  5. Os oficiai( cresceram em berço de outro) e Bem a “Maioria” dos praças( não todos felizmente) não tem muita noção da realidade da vida, acham que a vida É quartel e quer as vezes usar de hierarquia fora dos muros, se dão mal, nunca Vi até hoje, nos meus 30 anos de força, nunca vi algum militar se dar bem em ocorrência envolvendo polícias, de coronel a soldado, e olhe que já acompanhei milhares, não tem jeito Amigo, não faça essa asneira de bater boca, a polícia vive no limite, é só olhar os jornais, pelo menos 3 polícias se matam por dia no Brasil, quando não se matam Tão matando Os próprios Companheiros, como as últimas notícias Veiculadas, derrubam vagabundo todo dia, vai vir um tenentizinho, sem altos estudos ainda, querer botar moral num guerreiro desse???
    “Soldado PM não e soldado FFAA”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo