À PF, G. Dias diz não ter “qualquer responsabilidade nos fatos de 8 de janeiro”

MISTÉRIO - G. Dias: até aqui, silêncio sobre negligência e omissão do GSI – José Cruz/Agência Brasil

Gonçalves Dias depôs por cerca de quatro horas à PF sobre sua presença no Planalto durante depredação por extremistas

O ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) Gonçalves Dias afirmou ao R7 que o depoimento que deu nesta sexta-feira (21) à Polícia Federal vai contribuir para esclarecer os fatos e mostrar que ele não teve responsabilidade nos atos extremistas de 8 de janeiro.
“O comparecimento à sede da Polícia Federal é, para mim, uma grande oportunidade de esclarecer os fatos que têm sido explorados na imprensa. Confio na investigação e na Justiça, que apontarão que eu não tenho qualquer responsabilidade seja omissiva ou comissiva nos fatos do dia 8 de janeiro.”
Gravações de câmeras de segurança do Palácio do Planalto mostraram o ex-ministro andando entre os invasores sem demonstrar reação. As imagens também sugerem que servidores do GSI à época teriam facilitado a ação dos vândalos. Em alguns vídeos, agentes aparecem oferecendo água aos extremistas.
Gonçalves dias deixou a Polícia Federal por volta das 13h30, após prestar depoimento por mais de quatro horas nesta sexta-feira (21) sobre sua presença no Palácio do Planalto em 8 de janeiro, quando o prédio foi depredado por extremistas.
Dias chegou à PF por volta de 8h45. O ex-ministro do GSI não falou com a imprensa. O advogado dele também saiu sem dar declarações.
CORREIO DO POVO/montedo.com

11 respostas

  1. Esse general só faltou dizer que “não sabia que tinham invadido o palacio”. E ainda disse que prenderá o major (menos mal, poderia ter prendido o cabo ou recruta- é mais fácil né?

    1. G.Dias não fez nada, logo é inocente. Lula não sabia de nada, logo é Inocente. Dino viu tudo, mas disse que não podia fazer nada. Também é inocente. Poxa, por que tanto barulho ? Já está tudo explicado, é só contratar agora a empresa de fachada dos Super Trapaceiros Falaciosos que eles criam logo uma versão bacana. Algo como espalhar pela imprensa estatal da globo a historinha que o G.dias estava lá se preparando para defender o palácio do planalto do ataque terrível de índios apaches e pronto. É só dizer isso que cola e, num truque de mágica, transformam G.Dias em herói nacional.

  2. Desde janeiro que não paro de lembrar daquela frase memorável de um conto antigo: “o rei está nu”.

    Explico: agora toda a sociedade está vendo o que nós militares sempre víamos na Caserna, mas tínhamos que fingir, em relação aos nossos Estrelados.

  3. Nunca antes os generais estiveram tão em evidência na república, a relação é grande…

    Se o comando da força vê isso Como positivo, deve ter motivos.

    A População pode se dar conta que trata a pão de lo quem não merece.

  4. Lamentável, as pessoas não querem saber a verdade, só querem apenas uma narrativa que satisfaça e conforte a sua preferência.
    Boa parte dos bolsonaristas estão desconfortáveis com o 8 de janeiro, mas não com o movimento em si, mas por causa do resultado alcançado. Não conseguiram trocar o governo e, o que é pior, estão sendo chamados para pagar a conta do que fizeram.
    Desculpem, mas quem acredita que o G. Dias facilitou o quebra-quebra é porque gosta desta narrativa.
    TODOS os componentes do GSI eram comandados do General Heleno e facilitaram a entrada dos golpistas e, como deu errado, armaram para só o “bobo da côrte”, recém chegado, ser o único responsável.
    Lógico que o G. Dias errou, mas não cometeu crimes. Ele erro de ser fraco.
    Se ele mostrasse indignação e gestos enérgicos provavelmente a narrativa do vídeo editado seria outra. Sim vai pagar, e está pagando, um preço pela sua fraqueza, mas nunca por ser criminoso.
    Criminosos são aqueles que armaram essa arapuca e facilitaram a entrada dos terroristas. Torço para que eles paguem, inclusive, com a perda do seu emprego.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo