Marinha dos Estados Unidos envia destróier próximo a ilha do Mar da China Meridional

Petty Officer 3rd Class Keenan Daniels 
| 
Crédito: U.S. Navy

Manobras militares são um contraponto às reivindicações da China, que consideram ilhas da região como parte de seu território

A Marinha dos EUA enviou um contratorpedeiro para perto de uma ilha contestada no Mar da China Meridional. Pequim fortaleceu a região com instalações militares para fazer valer suas reivindicações territoriais.

A partida ocorreu quando os militares chineses entraram no terceiro dia de uma demonstração de força em torno de Taiwan, a mil milhas de distância, perto da entrada norte do Mar da China Meridional, em resposta a uma breve visita do presidente de Taiwan aos Estados Unidos.

Na segunda-feira, um comunicado da 7ª Frota da Marinha dos EUA disse que o destróier de mísseis guiados USS Milius passou a 12 milhas náuticas – o limite internacionalmente reconhecido das águas territoriais de uma nação – de Mischief Reef nas ilhas Spratly, conhecidas como Ilhas Nansha na China.

Os EUA alegam que tais ações violam a Convenção do Direito do Mar. “Áreas como Mischief Reef, que são submersas na maré alta em seu estado natural, não têm direito a um mar territorial. Os esforços de recuperação de terras, instalações e estruturas construídas em Mischief Reef não alteram essa caracterização sob a lei internacional”, disse o comunicado da 7ª Frota dos EUA.

A China reivindica quase todo o vasto Mar da China Meridional como parte de suas águas territoriais, incluindo muitas ilhas distantes e enseadas no corpo de água disputado, muitos dos quais – como Mischief Reef – Pequim militarizou.

Um porta-voz do Comando de Teatro do Sul do Exército de Libertação do Povo disse que o contratorpedeiro dos EUA “invadiu ilegalmente” as águas chinesas perto do recife Mischief, que Pequim chama de recife Meiji.

“A China tem soberania indiscutível sobre as ilhas do Mar da China Meridional e suas águas próximas”, disse o coronel sênior da Força Aérea Tian Junli em um comunicado.

A chamada operação de liberdade de navegação (Fonop) do contratorpedeiro dos EUA defendeu os direitos de embarcações de qualquer nação de operar na área, disse o comunicado da 7ª Frota.

Os navios de guerra dos EUA conduzem regularmente tais Fonops no Mar da China Meridional e a segunda-feira foi a segunda em três semanas pelo Milius, que em 23 de março navegou perto das Ilhas Paracel, conhecidas como Ilhas Xisha na China, na parte norte do Mar da China Meridional.

“Os Estados Unidos voarão, navegarão e operarão onde quer que a lei internacional permita – independentemente da localização de reivindicações marítimas excessivas e independentemente dos eventos atuais”, disse a 7ª Frota no comunicado de segunda-feira.

Após o Fonop de março, Pequim alegou que os EUA violaram sua soberania enquanto “minavam a paz e a estabilidade no Mar da China Meridional”, disse Tan Kefei, porta-voz do Ministério da Defesa chinês.

A operação norte-americana desta segunda-feira ocorreu quando as forças chinesas entraram em seu terceiro dia de exercícios militares em grande escala ao redor da ilha de Taiwan, a democracia autônoma ao norte do Mar da China Meridional que o Partido Comunista da China reivindica como seu território, apesar de nunca ter governado. .

Pequim lançou as operações em Taiwan no sábado, um dia depois que a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, voltou de uma visita de 10 dias à América Central e aos Estados Unidos, onde se encontrou com o presidente da Câmara dos EUA, Kevin McCarthy.

Pequim alertou repetidamente contra o encontro de Tsai com McCarthy e já havia ameaçado tomar “medidas fortes e resolutas” se fosse adiante.

CNN/montedo.com

5 respostas

  1. Imaginem se fosse o contrário? A Rússia ou a China fazerem o mesmo perto de Cuba/Miami.
    É sempre assim, pimenta no…dos outros é refresco.

    1. Se fosse ao contrário? se fosse seu vizinho construir na sua calcada e impedir vc de sair? China imperialista construiu ilhas artificiais, se recusa a aceitar Tawain e roubou Ilhas do Japão..

      1. Ok, e o que dizer sobre a metade do território do mexico que foi roubado e tomados pelos EUA?
        Você sabia que o maior embargo econômico do mundo, o dos EUA sobre Cuba, proibe ques navios que atraquem nos portos cubanos não atraquem nos portos dos Estados Unidos por seis meses.
        Aí está certo, né?

  2. Sobre três mensagens atrás, avise ao Lula que investimentos nas FFAA só serve para os corruptos ganhar grana nas licitações.

    Quem é honesto, quer aumento de salário, pois é a única fonte de renda.

    Quem não reclama de salário, ou é incompetente e alguém faz o trabalho dele, desta forma, não ganha no aumento de salário, mas sim na diminuição de trabalho.

    Ou então está ganhando os todos nas licitações.

    Ou ainda é daqueles que tem o 2 emprego, mas na verdade o 2 emprego é o EB (conheço muitos assim)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo