Cabo do Exército vira herói ao salvar bebê engasgado e mãe agradece: “Gratidão pela vida”

Nilson Aparecido do Oliveira, o cabo do Exército. Foto: Arquivo pessoal – Colaboração/Banda B

Gabriel Souza e Antônio Nascimento
Colombo (PR) – Um cabo do Exército virou herói após salvar o pequeno Kaleb, bebê de um ano e nove meses, que ficou engasgado na tarde desta quinta-feira (19), em Colombo, na região metropolitana de Curitiba (RMC).

A Banda B conversou com os dois personagens desta história emociante e obteve detalhes deste rápido momento, que traz grandes reflexões sobre o que é a vida. Uma câmera de segurança gravou todo o momento emocionante no bairro Guaraituba, na Rua Pedro do Rosário.

Nilson Aparecido do Oliveira, cabo do Exército, iniciou contando que havia acabado de chegar do trabalho, quando foi alertado pelos vizinhos sobre a situação do bebê. Ele estava conversando com a filha e ouviu um pedido de ajuda do irmão dele, que já se encontrava engasgado após engolir balas de café.

O irmão pulou o portão. Eu ouvi o pedido de socorro e saí correndo para tentar saber o que poderia fazer naquele momento, já que não sabia há quanto tempo a criança estava engasgada, sem respirar. Então, me encontrei com a mãe dele e logo peguei a criança, que estava mole e não respondia.

Neste momento, Oliveira fez a manobra [de Heimlich] e o bebê expeliu uma bala da boca. Mas o militar percebeu que o pequeno continuava sem respirar, achou estranho e resolveu aplicar a técnica pela segunda vez.

Notei que ele ainda estava engasgado. Então, fiz a manobra, ele expeliu uma segunda bala e, somente depois disso, voltou a respirar. O entreguei à mãe, que o pegou no colo e o abraçou. Este foi um dos atos mais bonitos que já vi. Porque depois que o bebê voltou a respirar, a primeira coisa que ele queria fazer era abraçar a mãe. Isso me deixou bastante emocionado.

O outro lado

Dayra e Kaleb, mãe e bebê que ficou engasgado em Colombo. Foto: Arquivo pessoal – Colaboração/Banda B

Também à Banda B, a mãe, Dayra Zocchio Meira, estava em sua loja no momento que tomou um susto com a situação do filho. Além da comerciante, os dois filhos também estavam no local. Porém, inicialmente, ninguém notou que o bebê estava com as balas na boca, enquanto ele brincava com o irmão.

Só que na mesma hora que ele engasgou, eu já consegui observar. Tentei fazer a manobra para tirar a bala da garganta dele, e não consegui. Aí, pedi para o meu menino chamar meu vizinho, porque sei que ele é um militar. O portão é eletrônico, então meu filho nem ‘pensou direito’ e já pulou o portão. No desespero, ele não achou a chave.

Todos saíram e se encontraram na rua, como mostram as imagens. As balas, como contou a mãe, foram retiradas em questões de segundos.

Eu estava apavorada porque tentei antes. A boquinha dele estava roxinha, entrei no desespero. É um sentimento de gratidão pela vida inteira.

No fim, Kaleb não foi ao hospital e passa bem. Após recuperar a respiração, conforme disse a mãe, o bebê só queria algo específico: refrigerante.

Banda B/Edição: montedo.com

6 respostas

  1. Nosso exército era a instituição de maior credibilidade do país, após todos os acontecimentos envolvendo o alto comando FAA, e que resultou em um final que a tropa toda não espera, e não aceitou ainda, Nosso camuflado ficou manchado.Parabéns CB OLIVEIRA! VC fez e fará a diferença para essa criança em toda sua vida! Nunca esquecerão de você e de sua atitude.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo