Escolha uma Página

O general, que até semanas atrás era o favorito para a posição, participou de jantar com Valdemar Costa Neto e aliados do governo

Jeniffer Gularte
Dado até semanas atrás como nome certo para vice de Jair Bolsonaro na corrida presidencial deste ano, o general Walter Braga Netto entregou os pontos e já diz, em privado, que a ex-ministra da Agricultura Tereza Cristina é uma opção melhor para compor a chapa.
Com a estagnação de Jair Bolsonaro nas pesquisas, Tereza Cristina voltou a ser cotada nos últimos dias para a posição de vice.
Para os defensores da ideia, ela poderia ajudar a reverter a rejeição a Bolsonaro entre as mulheres. A ex-ministra é filiada ao Progressistas, antigo PP, partido do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.
Braga Netto admitiu que a ex-ministra pode agregar mais do que ele à campanha de Bolsonaro durante um jantar na noite de terça-feira, em Brasília
O general disse que não faz questão de compor a chapa. O que importa, disse, é ajudar Bolsonaro a ganhar a eleição.
Entre os presentes estava Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido de Bolsonaro, ao qual o general também está filiado.
“Ele (Braga Netto) é o nome preferido do presidente, mas o foco é ganhar a eleição. E ela (Tereza Cristina) é leal a Bolsonaro e Valdemar a adora”, disse à coluna, sob reserva, uma pessoa que testemunhou a conversa.
Os participantes do jantar fizeram uma espécie de check-list das vantagens que Tereza Cristina poderia representar para a chapa de Bolsonaro.
Além de ser mulher e poder ajudar a conter a rejeição ao presidente junto ao público feminino, eles realçaram o bom trânsito da ex-ministra no meio político e sua ligação estreita com o agronegócio, o que poderia, inclusive, facilitar a arrecadação de doações de empresários do setor para a campanha – algo que, para Valdemar, tem um valor mais do que especial.
Rodrigo Rangel(METRÓPOLES)/montedo.com

Skip to content