Escolha uma Página

Falta de carisma e dificuldade em comunicação com o público também colocam em xeque indicação de general para compor a chapa

Evandro Éboli
Ainda é incerto se o general Braga Netto será mesmo o vice na chapa ao lado de Jair Bolsonaro. O militar está em baixa na “casa de apostas” da política a essa altura.
Em síntese, a avaliação do gabinete de campanha do presidente é que o ex-ministro da Defesa nada agrega. No popular, não tem voto.
O general, hoje assessor especial de Bolsonaro, só reúne “defeitos” políticos, e nenhuma virtude. Avaliam os pensadores da campanha que Braga Netto não tem carisma, tem dificuldade de comunicação e é pouco simpático, alem de nenhuma experiência na política.
E mais: o desgaste dos militares, que compraram a briga de Bolsonaro com a Justiça Eleitoral e ministros do STF – com manifestações de ataques em notas -, tem pesado também. Um fardado ao lado de Bolsonaro na vice não vai ajudar. E com as características do ex-ministro.
O desempenho ainda frustrante de Bolsonaro nas pesquisas também levam à reflexão. Qual o perfil ideal do vice para ajudar a reverter esse quadro? Sabe-se que não é o de Braga Netto.
Se não bastasse, incomoda ainda os bolsonaristas a presença de Geraldo Alckmin (PSB) na chapa de Lula. A desenvoltura do ex-governador tucano, sua proximidade com o petista e exibições conjuntas dos dois tem causado inveja nos bolsonaristas.
METRÓPOLES/montedo.com

Skip to content