Escolha uma Página

O sargento Valdir é o atual campeão brasileiro em sua modalidade Imagem: 1º Sargento Wagner PIRES / CMS

2º Tenente PABLO GOMES
Imagens: 1º Sargento Wagner PIRES
Porto Alegre – O 3º Sargento VALDIR Moraes Rodrigues Junior representará o Brasil no Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu, que ocorrerá de 1º a 6 de junho, em Long Beach, na Califórnia. Ele embarcou para os Estados Unidos nesta segunda-feira, dia 30, no Aeroporto Internacional Salgado Filho.
Natural de Viamão/RS, Valdir tem 33 anos de idade e é técnico temporário na área de Tecnologia da Informação no Quartel General do Comando Militar do Sul, no Centro Histórico da capital gaúcha. Fã de filmes de luta na infância, Valdir começou a praticar atividades físicas mais intensas aos 16 anos. Ele iniciou nas artes marciais pelo Muay Thai e depois partiu para o MMA. Até que conheceu o Jiu-Jitsu, virou atleta profissional e passou a acumular importantes resultados.
Somente nos últimos quatro anos, Valdir conquistou 23 medalhas em competições estaduais, nacionais e internacionais, inclusive na Califórnia. Do total, 16 são de ouro, o equivalente a 70%. Só em 2022, Valdir subiu ao lugar mais alto do pódio nada menos que 12 vezes, sendo a metade apenas neste mês de maio. Os títulos mais recentes foram no Campeonato Brasileiro, em Barueri/SP, onde foi campeão em duas categorias.
Atleta de alta performance, Valdir treina de quatro a cinco horas por dia, seis dias por semana, e mantém uma alimentação adequada. E além dos compromissos com o esporte e com o Exército, ele ainda é estudante universitário, e neste ano conclui o curso superior de Educação Física. Agora, nos Estados Unidos, o Sargento Valdir chega confiante para mais conquistas na categoria faixa marrom adulto pesadíssimo.
“Meu objetivo é ser campeão mundial na faixa preta. Depois de me formar na faculdade, pretendo começar a dar aulas de Jiu-Jitsu para viver disso. Quero ajudar pessoas a conquistar os títulos que eu conquistei ou que eu gostaria de ter conquistado mais cedo. O Exército Brasileiro, por exigir o bom condicionamento físico dos militares, me ajuda muito no esporte, e sou bastante grato por isso”, afirma o sargento.
CMS/Edição:montedo.com

Skip to content