Escolha uma Página

Durante evento, Comandante da Força Aérea Brasileira (FAB) apresentou as capacidades do Centro Espacial de Alcântara (CEA) e discutiu possibilidades de parcerias.

Fernando Valduga
Na marcha para o completo domínio do espaço, nessa sexta-feira (20), o Comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, apresentou as capacidades do Centro Espacial de Alcântara (CEA), ao empresário norte-americano Elon Musk, dono da Tesla e da SpaceX.
O encontro ocorreu durante o evento “Conecta Amazônia”, organizado pelo Ministério das Comunicações, que teve a presença também do Presidente da República, Jair Bolsonaro, dentre outras autoridades civis e militares.


Na oportunidade, o Tenente-Brigadeiro Baptista Junior ressaltou que o Centro Espacial de Alcântara está pronto para receber veículos lançadores de empresas comerciais, como a empresa SpaceX, e explicou as vantagens associadas à operação do CEA, como: a proximidade do mar, a localização de aproximadamente 2º18’ ao sul da Linha do Equador, o que possibilita lançamentos em órbitas polares e equatoriais; baixa densidade demográfica; ausência de incidência de terremotos e furacões; baixa densidade de tráfego aéreo e marítimo; e localidade ideal para lançamentos sob demanda (responsive launches).

Desenvolvimentos de satélites de sensoriamento remoto
Na ocasião, também foi discutida a possibilidade de uma parceria para o desenvolvimento e operação de satélites de sensoriamento remoto de baixa órbita, a fim de apoiar as operações de proteção da Amazônia brasileira.
De acordo com o Comandante da Aeronáutica, a SpaceX poderia contribuir para a preservação do meio ambiente, investir em créditos de carbono e ajudar a proteger as Comunidades Nativas Brasileiras. “Além disso, as operações de lançamento poderiam ser realizadas a partir do território brasileiro”, acrescentou.

SpaceX
A SpaceX é uma empresa líder no mercado global de lançamentos comerciais e pode se tornar uma empresa parceira nas operações de lançamento de veículos espaciais a partir do território brasileiro.
A empresa também foi selecionada para enviar ao espaço os satélites de sensoriamento Lessonia, que serão operados pela Força Aérea Brasileira.
Durante o evento, o empresário Elon Musk, dono da SpaceX, foi condecorado com a medalha de Ordem ao Mérito concedida pelo Ministério da Defesa.

Sistema de Monitoramento Espacial
Outra área de interesse da Força Aérea Brasileira é a instalação de um Sistema de Monitoramento Espacial, a fim de melhorar a segurança das operações de satélites. Uma rede de sensores, operada pela FAB, para o monitoramento, a partir do hemisfério Sul, da frota de satélites do governo brasileiro, bem como da frota de satélites da empresa SpaceX.
Segundo o Tenente-Brigadeiro Baptista Junior, estes dados de monitoramento dos satélites comerciais seriam compartilhados com a comunidade internacional, seguindo os protocolos da ONU sobre o uso do espaço exterior, colaborando com a conscientização global da situação espacial.
“O Brasil gostaria de estabelecer uma parceria para o desenvolvimento tecnológico de veículos lançadores. A Força Aérea Brasileira possui um Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) para intercâmbio tecnológico.
Seria muito oportuna uma parceria para o desenvolvimento e operação de uma constelação de satélites de sensoriamento remoto de órbita baixa, a fim de apoiar as operações de proteção da Amazônia brasileira”, explicou o Oficial-General.

Janela para o espaço
O Centro Espacial de Alcântara consiste em um conjunto de bens e serviços utilizados para lançamento de veículos espaciais comerciais em território nacional, proporcionando uma infraestrutura necessária para dar suporte às atividades específicas de empresas de lançamento.
Em atendimento à exploração espacial, o CEA tem condições de prover o suporte logístico, integração e testes finais de carga útil, lançamento de objetos espaciais, previsão meteorológica, coleta de dados via telemetria, rastreio, sistema de comando e controle e demais tecnologias.
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Flávia Rocha
cavok/montedo.com

Skip to content