Escolha uma Página

Medida custaria R$ 6,3 bilhões ao Executivo e mais R$ 1,5 bilhão para os outros poderes

DOUGLAS RODRIGUES
O reajuste de 5% a funcionários públicos, debatido semana passada pelo presidente Jair Bolsonaro com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda não está definido, informou o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago. A decisão custaria R$ 6,3 bilhões ao Executivo e mais R$ 1,5 bilhão para os outros poderes.
O aumento salarial seria uma forma de mitigar as perdas salariais do funcionalismo público em meio ao aumento da inflação, e os 2 anos sem reajuste por causa da pandemia. Há muita insatisfação entre os trabalhadores do governo porque eles acham que o percentual é baixo.
Para o secretário do Ministério da Economia, a ideia de dar 5% de aumento é “justa” e “considerável”. Segundo ele, o Brasil está há 11 meses com as contas no vermelho e não está em uma situação tranquila, visto que ainda há uma pandemia e há uma guerra no exterior.
O Ministério da Economia pretende provisionar R$ 11,7 bilhões para reajustes salariais em 2023 se não houver nenhum aumento este ano. O dinheiro deve ser definido na proposta do PLOA (Projeto de Lei Orçamentária Anual), que será enviado em agosto. Porém, se o governo dar aumento de R$ 6,3 bilhões em 2022, o valor provisionado para 2023 terá que ser elevado (para R$ 12,6 bilhões).
O governo estima saldo positivo nas contas públicas apenas em 2025. Para 2022, a expectativa de deficit de R$ 65,9 bilhões, o 10º ano seguido no vermelho.

Eis a íntegra da apresentação (628 KB). Assista (1h):

O reajuste salarial de 5% foi alvo de críticas pela ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal). Em nota, os delegados manifestaram “total indignação e repúdio” ao percentual. Os delegados disseram que caso o reajuste se concretize, “haverá uma quebra desleal do compromisso [do governo] que será sentida ainda mais depois das diversas perdas sofridas pelos policiais federais durante este governo, que sempre teve entre suas bandeiras a segurança pública”.
PODER 360/montedo.com

Skip to content