Escolha uma Página

Míssil balístico teria percorrido mais de 700 quilômetros, segundo militares sul-coreanos

A Coreia do Norte teria testado um novo míssil balístico nesta 3ª feira (11.jan.2022) – o 2º teste em uma semana, segundo informações de militares sul-coreanos acessadas pela estatal Yonhap News.
O míssil teria percorrido mais de 700 quilômetros a uma altitude de 60 km, com velocidade máxima de até 10 vezes a velocidade do som (12.348 km/h).
O lançamento seria parte da promessa de Ano Novo do líder Kim Jong Un para reforçar os militares com tecnologias de ponta enquanto as negociações de acordo de paz com a Coreia do Sul e EUA estão paralisadas.
“Avalia-se que o míssil é mais avançado que o disparado pela Coreia do Norte em 5 de janeiro”, disse a JCS (Estado-Maior Conjunto dos EUA, na sigla em inglês), corpo de militares seniores que assessoram o Departamento de Defesa. “As autoridades de inteligência sul-coreanas e norte-americanas ainda realizam uma análise detalhada”.
O lançamento contínuo de mísseis balísticos viola as resoluções do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas). A Coreia do Norte está proibida de usar a tecnologia.

Alerta sobre a Coreia do Norte
A declaração do JCS contrasta com o tom usado no dia 5, quando minimizou as alegações de mísseis hipersônicos da Coreia do Norte. Classificou o lançamento como “exagero” e avaliou que o país ainda não tem tecnologias para a arma de alto nível.
A Coreia do Sul já instou a Coreia do Norte a interromper imediatamente seus lançamentos de mísseis. “Representam uma ameaça significativa à paz e segurança não apenas na península coreana, mas também no mundo, e não são úteis para a redução das tensões militares”, afirmou o país em nota da agência estatal.
Pyongyang está na corrida global pelo desenvolvimento de mísseis hipersônicos. As armas atingem velocidades até 5 vezes mais rápidas que o som –ou 6.200 km/h. Ainda podem manobrar em altitudes relativamente baixas, tornando-se mais difíceis de detectar e interceptar.
Por causa das armas nucleares, a Coreia do Norte sofre com sanções internacionais impostas pelos EUA. Durante o governo do ex-presidente norte-americano Donald Trump, os líderes dos 2 países chegaram a se reunir 3 vezes.
De acordo com Trump, seus esforços impediram uma guerra. No entanto, eles não chegaram a um acordo para a desnuclearização da Coreia do Norte nem para o fim das sanções comerciais. O atual presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu usar a diplomacia para ter êxito na questão.
PODER 360/montedo.com

Skip to content