Escolha uma Página

Ação apura atuação de associação criminosa formada para remeter drogas para a Europa a partir de aeronaves militares; Suspeito foi preso em flagrante com R$ 80 mil

Mariana Muniz
BRASÍLIA — Inquérito da Polícia Federal tenta chegar a integrantes de uma organização criminosa que usa aviões da FAB para tráfico de drogas. Na quarta-feira, três mandados de busca e apreensão foram cumpridos no Distrito Federal. As medidas acontecem no âmbito da operação Quinta Coluna, aberta em 2019 após a prisão de um sargento da Aeronáutica que era tripulante do voo que transportava a equipe que dava apoio à comitiva do presidente Jair Bolsonaro com 39 quilos de cocaína.
O GLOBO apurou que inicialmente não havia mandados de prisão, mas um dos alvos da operação desta quarta acabou sendo preso em flagrante por posse de drogas. A Polícia encontrou com o homem, que é civil, além das drogas, uma balança de precisão e R$ 80 mil em espécie. Acredita-se que alguns são usados como “mulas” para fazer transporte dedrogas para fora do país.
A PF investiga a organização criminosa formada para remeter drogas para a Europa a partir de aeronaves da Força Aérea Brasileira. Um dos outros dois mandados teria sido cumprido em Taguatinga, cidade satélite a 23 quilômetros de Brasília.

Prisão em Sevilha
Em junho de 2019, o segundo-sargento da Aeronáutica Manoel Silva Rodrigues, de 38 anos, foi preso no aeroporto em Sevilha por portar 39 quilos de cocaína em sua bagagem. Ele viajara com a droga em um avião da FAB a serviço de uma missão presidencial – a viagem do presidente Jair Bolsonaro para o Japão.
O avião dava suporte à missão presidencial, e fazia uma escala na Espanha. Rodrigues atuava como comissário de bordo em voos oficiais da Aeronáutica. Como segundo-sargento, ele recebia um salário bruto de R$ 7,2 mil.
No ano passado, o militar foi condenado por uma tribunal de Sevilha. Inicialmente, a pena pedida pelo Ministério Público era de oito anos de prisão, além de uma multa de quatro milhões de euros. Mas, em acordo com a promotoria espanhola, aceitou uma sentença de seis anos e um dia de prisão, além de uma multa de dois milhões de euros (cerca de R$ 9,5 milhões). Na oportunidade, ele confessou o crime e afirmou estar “profundamente arrependido”.
O Globo/montedo.com

Skip to content