Escolha uma Página

Thaís Oyama
Colunista do UOL

No que depender do Exército, nenhum ser vivente deverá saber por que motivo seu comandante, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, decidiu não punir o general Eduardo Pazuello por transgressão disciplinar.
No máximo, terão acesso à informação aqueles que hoje engatinham ou começam a comer com talheres, mas esses não estarão nem aí para o caso do general daqui a cem anos, prazo em que a Força quer manter trancado a sete chaves o processo administrativo de que o protegido de Jair Bolsonaro saiu ileso.
O argumento de que a divulgação do processo feriria a intimidade do militar e por isso deverá ficar em sigilo por até um século foi a resposta do comando do Exército ao pedido de acesso aos documentos feito pelo jornal O Globo com base na Lei de Acesso à Informação.
A decisão do sigilo centenário, da qual cabe recurso, é uma tentativa do Exército de impedir que a impunidade do general amigo do presidente abra uma caixa de Pandora a espalhar ventos malignos em suas fileiras.
O esforço tem poucas chances de prosperar.
O terceiro sargento do Exército Luan Freitas Rocha, como revelou o Estadão, participou no mês passado de uma live do deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), aliado fiel de Bolsonaro.
Na transmissão, o militar, dizendo falar em nome das turmas de sargentos de 2013 e 2014, reclamou de mudanças na política de promoções da categoria e pediu a interferência do deputado, que respondeu prometendo falar com o presidente Bolsonaro. “Tudo o que trata do pessoal das Forças Armadas vem do presidente da República”, disse Vitor Hugo. “Posso fazer essa demanda formalmente para ele”, afirmou.
O Estatuto dos Militares veda a militares da ativa, caso do sargento Luan Freitas Rocha, quaisquer “manifestações coletivas, tanto sobre atos de superiores quanto as de caráter reivindicatório ou político.” A Companhia de Comando da 15º Brigada de Infantaria Mecanizada, a que pertence o sargento, confirmou que ele responde a sindicância para apurar se houve transgressão disciplinar no episódio da live com Vitor Hugo.
No caso de Pazuello, um general três estrelas, a decisão sobre a (não) punição foi do comandante do Exército.
No caso do peixe pequeno Luan Freitas Rocha, ela caberá ao comandante da sua Companhia.
O caso está fermentando há dias tanto no alto quanto no baixo oficialato do Exército.
Se o sargento sair ileso, oficiais já revoltados com a impunidade de Pazuello dirão que o Exército virou mesmo a casa da mãe Joana.
Se for punido, a Companhia com sede em Cascavel poderá se tornar o foco de sargentos e praças revoltados com a ideia de que as regras militares só se aplicam ao baixo clero, enquanto deixam impunes o generalato.
Uma saída para a Força, talvez, seja decretar sigilo para toda eternidade também sobre o caso do sargento Luan, hipótese em que, para não abrir a caixa de Pandora, o Exército estará escolhendo se fechar ele mesmo numa tumba.
** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
UOL/montedo.com

Skip to content