Escolha uma Página

José Carlos Cueto
BBC News Mundo

Os ataques balísticos das últimas horas revelaram mais uma vez o poder da Cúpula de Ferro de Israel
O fogo cruzado entre forças israelenses e palestinas continua a se intensificar e as Nações Unidas temem uma “guerra em grande escala”.
Desde segunda-feira (10/05), membros palestinos do Hamas lançaram mais de 1.000 mísseis contra Israel, a maioria contra a cidade de Tel Aviv e seus arredores. Em resposta, as forças israelenses realizaram bombardeios letais em Gaza, deixando dezenas de mortos.
Mas Israel conta com um escudo poderoso para se proteger dos foguetes lançados por militantes do Hamas a partir da Faixa de Gaza: o chamado Domo de Ferro.
Conforme o exército israelense, dos cerca de 1.050 mísseis e morteiros disparados, 850 foram interceptados por este sistema antimísseis.
Diversas imagens e vídeos comprovam a capacidade do sistema, mostrando como ele destrói diversos mísseis no ar simultaneamente e impede que caiam em áreas civis.
No entanto, como qualquer outro sistema de defesa, o Domo de Ferro não é infalível, e especialistas alertam que outras organizações com maior poder de fogo podem botar à prova sua eficácia.

JACK GUEZ / GETTY Nos últimos anos, o poderosa Domo de Ferro protegeu os centros urbanos israelenses de mísseis lançados pelo Hamas

Como funciona o Domo de Ferro
Também conhecido como Cúpula de Ferro, o escudo é parte de um amplo sistema de defesa aérea que opera em Israel.
Seu objetivo é proteger o país de mísseis balísticos, mísseis de cruzeiro, foguetes e outras ameaças aéreas.
O sistema foi projetado pela companhia Rafael Advanced Defense System LTD, uma empresa privada com laços estreitos com as forças armadas israelenses, que constrói sistemas de defesa aérea, marítima e terrestre.
O projeto também contou com financiamento superior a US$ 200 milhões (R$ 1,06 bilhão) dos Estados Unidos.
O fabricante afirma que trata-se do sistema antimíssil mais amplamente utilizado no mundo e que é eficaz em mais de 90% dos casos.
As baterias são feitas de mísseis interceptores, radares e sistemas de comando que analisam onde os foguetes inimigos podem pousar.
A tecnologia de radar diferencia entre mísseis que podem atingir áreas urbanas e aqueles que devem errar o alvo. O sistema então decide quais devem ser interceptados.
Os interceptores são lançados verticalmente a partir de unidades móveis ou estacionárias. Eles então detonam os mísseis no ar.

MOHAMMED ABED / GETTY Na terça à noite, os mísseis interceptados pela Cúpula de Ferro puderam ser vistos no céu israelense

Com que finalidade o sistema foi instalado?
O Domo de Ferro tem sua origem no conflito de 2006 entre Israel e o Hezbollah, grupo islâmico libanês.
À época, o Hezbollah lançou milhares de foguetes contra Israel, matando dezenas de pessoas e causando grandes estragos.
No entanto, os esforços israelenses para desenvolver um escudo antimísseis têm mais de três décadas e são parte relevante da colaboração militar entre Israel e os Estados Unidos.
Em 1986, Israel assinou um contrato com os EUA para pesquisar sistemas antibalísticos, como parte de um projeto da Iniciativa de Defesa Estratégica (SDI, na sigla em inglês) do governo Ronald Reagan.
Cinco anos depois deste acordo, os líderes israelenses aceleraram os esforços para desenvolver o sistema, quando o então presidente iraquiano Saddam Hussein ordenou o lançamento de mísseis Scud contra Israel durante a Primeira Guerra do Golfo.
No início de 2010, o Domo de Ferro já havia passado com sucesso pelos testes realizados pelo exército israelense.
Em abril de 2011, o sistema foi testado em combate pela primeira vez, quando derrubou um míssil lançado contra a cidade de Beer Sheva, no sul do país.

JACK GUEZ / GETTY Unidades móveis e estáticas identificam mísseis que podem cair em áreas urbanas e derrubá-los no ar

Deficiências
Desde segunda-feira, em várias cidades israelenses – como Tel Aviv, Ashkelon, Modi’in e Beer Sheva — soam os alarmes que alertam sobre mísseis lançados a partir de Gaza
Militantes palestinos têm tentado saturar o poderoso sistema de defesa israelense, avaliam especialistas.
Anna Ahronheim, correspondente de defesa e segurança do jornal israelense The Jerusalem Post, disse à BBC que foi “assustador ouvir centenas de interceptações e mísseis” caindo nas proximidades.
O ataque a mísseis se intensificou depois que dois blocos de apartamentos residenciais foram derrubados em Gaza na terça-feira (11/05).
Israel afirma que tem como alvos locais de lançamento de foguetes, edifícios, residências e escritórios usados ​​pelo Hamas, que por sua vez diz estar indignado com o “ataque do inimigo a torres residenciais”.
O Domo de Ferro teria derrubado entre 85% e 90% dos mísseis lançados pelo Hamas.
No entanto, de acordo com Yonah Jeremy Bob, analista de inteligência do Jerusalem Post, o sistema pode ser eficiente contra ataques do Hamas, mas poderia ter mais dificuldades com organizações como o Hezbollah, capaz de lançar mais mísseis em menos tempo.

Críticas
Não há nenhuma dúvida de que o sistema tem protegido os israelenses de diversos ataques letais na última década. No entanto, há críticas quanto à sua utilidade a longo prazo.

JACK GUEZ / GETTY IMAGES Alguns especialistas questionam a utilidade da Cúpula de Ferro a longo prazo no conflito palestino-israelense

Alguns especialistas questionam a utilidade da Cúpula de Ferro a longo prazo no conflito palestino-israelense
Especialistas como Yoav Fromer, cientista político da Universidade de Tel Aviv, argumentam que o escudo tecnológico é um recurso de curto prazo, dentro de um conflito muito mais profundo.
“Muitos anos depois, ainda estamos presos no mesmo ciclo de violência sem fim. O notável sucesso do Domo de Ferro contribuiu, irônica e inadvertidamente, para o fracasso das políticas externas que criaram essa escalada de violência”, disse Fromer à BBC News Mundo, o serviço em espanhol da BBC.
“O fato de o governo israelense ter fracassado em desenvolver uma estratégia consistente para neutralizar a ameaça do Hamas pode ser considerado, ao menos indiretamente, como um resultado de o Domo de Ferro nos prover uma proteção considerada ‘suficiente'”, acrescenta o especialista.
Fromer acredita que a defesa oferecida pelo sistema contribuiu para que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu nunca sofresse pressão suficiente da opinião pública para criar políticas que resolvessem efetivamente a ameaça a partir da Faixa de Gaza.
BBCBrasil/montedo.com

Skip to content