Escolha uma Página

Exames começaram a ser feitos em militares da 11ª Brigada de Infantaria Leve nos primeiros dias de maio. Casos positivos de coronavírus representam 15% do efetivo, que é de 2.530 militares na metrópole.

Patrícia Teixeira, G1 Campinas e Região
O Exército de Campinas (SP), em conjunto com a prefeitura, iniciou nesta semana a aplicação de 2 mil testes rápidos para verificação de anticorpos da Covid-19 entre os militares. Os exames integram um estudo epidemiológico organizado pela administração municipal, segundo informou ao G1 o Comando Militar do Sudeste (CMSE) nesta sexta-feira (7).
Participam da ação os militares da 11ª Brigada de Infantaria Leve, sediada na metrópole, seguindo critérios para a coleta do sangue e realização da testagem, que tem previsão de dez semanas de duração.
“São critérios de elegibilidade exercer atividade laboral nas organizações militares sediadas em Campinas, contato frequente com tais profissionais, ser voluntário, não haver sido vacinado nem haver contraído Covid-19 anteriormente”, informou o comando militar, em nota.
O estudo está sendo conduzido pelos órgãos técnicos da prefeitura e prevê inicialmente os dois mil exames. Procurada pelo G1, a administração municipal não informou mais detalhes sobre a pesquisa.

15% do efetivo teve Covid
O número de militares a serviço na cidade, incluindo os da Escola de Cadetes (EsPCEx), que foram infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia é de 379 pessoas, informou a instituição. Atualmente, três estão afastados por causa da doença e um sargento morreu.
Os casos positivos representam 15% do efetivo total, que é de 2.530 militares em Campinas.
Até esta sexta-feira (7), a metrópole registrou 95.297 moradores infectados, sendo 3.105 mortes contabilizadas.

O primeiro óbito no estado de São Paulo
A primeira vítima da Covid-19 do Exército no estado de São Paulo foi um segundo-sargento de Campinas. Há um mês, no dia 9 de abril, Alder Rossano Paes, de 39 anos, que servia no 2º Batalhão Logístico Leve, morreu por complicações da doença. Na ocasião, 369 militares tinham contraído o vírus na cidade.
Paes apresentou sintomas e foi atendido no posto médico da guarnição. Chegou a ser internado no Hospital Santa Tereza, mas acabou sendo transferido ao Hospital Militar da Área de São Paulo (HMASP), na capital paulista, onde veio a óbito. Ele deixou esposa e não tinha filhos.
G1/montedo.com

Skip to content