Escolha uma Página

Em 2020, foram 25 missões de ‘proteção de ativos’ contra 14 exercícios do mesmo tipo no ano anterior, mostrando aumento das relações de segurança dos países

Brad Lendon, da CNN
Os militares do Japão realizaram 25 missões em 2020 em defesa de navios ou aviões dos Estados Unidos, um sinal da crescente integração de duas das forças armadas.
Em 2019, em meio a um “ambiente de segurança severo”, o número do que o Japão chama de missões de “proteção de ativos” foi de 14, de acordo com um anúncio do Ministério da Defesa do Japão.
Os militares japoneses disseram que as 25 missões envolveram as Forças de Autodefesa do Japão (SDF), protegendo navios da Marinha dos EUA em quatro ocasiões, enquanto esses navios coletavam informações sobre mísseis balísticos ou outras atividades de alerta ou vigilância. Em 21 casos, as missões envolveram a proteção de aeronaves dos EUA que estavam em treinamento conjunto com suas contrapartes japonesas.
As autoridades japonesas não disseram quando ou onde as missões aconteceram, apenas que “contribuíram para a defesa do Japão”. As forças norte-americanas e japonesas participaram de uma ampla variedade de exercícios no ano passado no Japão e em seus arredores e em lugares distantes como o Oceano Índico.
Analistas de defesa disseram que se uma potência hostil atacar as forças armadas dos Estados Unidos em qualquer uma das missões de proteção de ativos, as forças japonesas podem contra-atacar.
“Se os ativos norte-americanos fossem repentinamente atacados, o SDF deveria contra-atacar para evitar ataques posteriores a navios ou aviões norte-americanos”, disse Corey Wallace, professor assistente da Universidade de Kanagawa no Japão.
No entanto, o especialista em segurança japonês Narushige Michishita, vice-presidente do Instituto Nacional de Pós-Graduação para Estudos Políticos (GRIPS) em Tóquio, disse que é improvável que as forças enfrentem qualquer perigo real de hostilidades.
“Certamente, as forças de alguns países conduzem manobras perigosas durante os exercícios de EUA-Japão, então norte-americanos e japoneses podem ter experimentado alguns eventos enervantes em algumas ocasiões”, disse ele.
Mas ambos os especialistas afirmam que o anúncio do SDF indica a importância crescente das relações de segurança entre os EUA e o Japão em um momento de crescentes ameaças na região e envia uma mensagem importante aos adversários em potencial.
“A questão é que duas forças estão agora operando regularmente muito próximas e que serão capazes de fazer o mesmo em tempo de guerra ou sob condições estressantes. A capacidade de fazer isso certamente aumentará a dissuasão contra possíveis ações agressivas contra o Japão e a Coreia do Sul, e até mesmo Taiwan “, disse Michishita.
“É uma contingência mais perigosa do que era permitido há seis anos”, disse Wallace.

Abe expandiu opções militares do Japão
Em 2014, o então primeiro-ministro japonês Shinzo Abe promoveu uma “reinterpretação” da constituição pacifista do país após a 2ª Guerra Mundial, que restringia fortemente o uso da Força de Autodefesa por Tóquio para refletir o ambiente de segurança do século 21.
Um ano depois, a Legislação de Paz e Segurança do Japão, codificando o plano de Abe para permitir um alcance maior para o SDF, se tornou lei. De acordo com o Artigo 95-2 da lei, as forças japonesas estão autorizadas a disparar suas armas para proteger navios e planos militares dos Estados Unidos.
Qualquer operação envolvendo “proteção de ativos” deve ser solicitada pelos militares dos EUA, aprovada pelo ministro da defesa japonês, apoiar a defesa do Japão e não pode ocorrer em uma área de provável combate.
A lei foi usada pela primeira vez em 2017, quando o destroyer japonês de helicópteros JS Izumo escoltou um navio de abastecimento da Marinha dos EUA, escreveu Michael Bosack, ex-vice-chefe de relações governamentais das Forças dos EUA no Japão, no jornal acadêmico Tokyo Review naquele ano.
A lei e as missões japonesas sob ela desmentem uma afirmação em 2019 do então presidente dos EUA, Donald Trump, de que o Japão não precisava ajudar os EUA se os norte-americanos fossem atacados.
“Se o Japão for atacado, lutaremos na Terceira Guerra Mundial… com nossas vidas e com nosso tesouro”, disse Trump, acrescentando: “Se formos atacados, o Japão não terá que nos ajudar em nada.”
A cooperação entre os militares japoneses e americanos aumentou nos últimos anos, à medida que surgiram ameaças contra o Japão, incluindo o programa de mísseis balísticos da Coreia do Norte e as tensões em curso com a China nas ilhas Senkaku/Diaoyu.
A cadeia rochosa desabitada, mais próxima de Taiwan do que Tóquio, é controlada pelo Japão, mas reivindicada pela China.
Sucessivos governos dos EUA, incluindo o de Joe Biden, reafirmaram que Washington considera as ilhas japonesas e seria obrigado a defendê-las pelo Tratado de Defesa Mútua EUA-Japão.
O Artigo 95-2 cobre incidentes que podem surgir antes de qualquer ataque ao Japão que possivelmente colocaria o tratado de defesa mútua em vigor.
Enquanto isso, os militares japoneses, especialmente sua Força de Autodefesa Marítima, têm aumentado sua presença longe de seu litoral. As tropas japonesas realizaram exercícios conjuntos ou multilaterais com uma série de parceiros, incluindo Índia, Austrália e Filipinas, bem como os EUA.
CNN/montedo.com

Skip to content