Escolha uma Página

Para o vice-presidente, ao longo das últimas quatro décadas juventude brasileira vem sendo alvo de ‘visão deformada’

Patrik Camporez
BRASÍLIA – O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta segunda-feira, 21, que a juventude brasileira tem sido “vítima de uma visão deformada” da história, nas últimas quatro décadas, período que praticamente coincide com o fim da ditadura militar. Em evento promovido pelo Instituto General Villas Boas, do qual participou de forma virtual, Mourão afirmou que “os grandes autores desapareceram” e, no lugar deles, entraram “intérpretes ideológicos”.
“Ao longo das últimas quatro décadas, nossa juventude tem sido vítima de uma visão deformada, que, esquecendo os valores onde foi assentada a nossa nacionalidade, buscou pura e simplesmente apagar a riqueza da história do Brasil”, disse o vice-presidente. “Os grandes autores simplesmente desapareceram, substituídos que foram por intérpretes ideológicos dos 520 anos em que essa Nação foi esculpida.”
A um público composto majoritariamente por militares, Mourão disse que o instituto com o nome do ex-comandante do Exército assumiu um papel de vanguarda e elogiou o ministro da Educação, Milton Ribeiro, que também participou do lançamento da coleção de livros “Pensadores do Brasil”.
“As ideias conformam uma percepção da realidade mais ou menos correta, representando um esforço efetivo para captar e desenvolver o seu potencial. As ideologias, não. Exteriorizam o desejo de alterar realidades, razão pela qual as tentativas de aplicá-las correspondem sempre a um fracasso. As ideias constroem. As ideologias destroem”, argumentou Mourão.
Ao finalizar sua participação, o vice-presidente parabenizou o instituto pela iniciativa. “Com a grandeza da alma, (o projeto) faz justiça ao nosso passado histórico e oferece às novas gerações um conhecimento diferenciado sobre os problemas nacionais”, observou.
O Estado de S.Paulo/montedo.com

Skip to content