Escolha uma Página

Paulo Ricardo da Rocha Paiva*
A entrega a olhos vistos da grande região norte, que ninguém consegue deter, mais uma vez me obriga a emitir minha livre opinião de cidadão brasileiro e oficial reformado do Exército, garantida pela “Carta Magna”, com todas as honras e sinais de respeito, na posição de sentido e com a mão na pala. As vozes guerreiras se fazem ouvir rarefeitas num lamento indignado, mas apenas de alguns poucos, a partir do momento em que elegeram um capitão, formado em nossa Academia Militar das Agulhas Negras/AMAN, mas que parece ter jogado para o espaço o lema viril “Brasil Acima de Tudo”, como presidente da República e comandante-em-chefe das Forças Armadas.
É de se lamentar mas, em verdade, o capitão em que apostei todas as minhas fichas está: leiloando empresas nacionais, patrimônio público de valor estratégico para estrangeiros; alugando nossa soberania aos EUA, nada mais nada menos do que a base da FAB em Alcântara/MA para os ‘YANKEES”, calcado em ajuste de “lesa pátria” que compromete nosso porvir tecnológico independente e soberano para lançamento de mísseis de cruzeiro, vitais para o alcance do estágio de dissuasão extrarregional; mantendo um consulado americano em Manaus, abrindo as porteiras para o estabelecimento do livre trânsito e permanência de norte americanos em capital estadual de importância estratégica vital para o planejamento, preparo e adestramento da estratégia da resistência; estabelecendo ajuste com os EUA, como seu “aliado extra OTAN”, que se diga, “entre gato e rato”, abrindo as portas da grande região norte para exercícios conjuntos com tropas de “Tio Sam”, em nome desta “santa aliança”.
É de se perguntar se esta instalação consular não seria mais uma crise da “síndrome do amadorismo franciscano” se manifestando? O comando militar de área vai ser conivente com esta abertura de flanco, verdadeira introdução de “cavalo de Tróia” na própria sede do Comando Militar da Amazônia/CMA? Meu Deus do céu! Atenção! Alerta! Perigo! Muito poucas são as “vozes guerreiras” que ainda esgrimem. Em contrapartida hoje se ouve os gritos dos muitos “crédulos de carteirinha” que seguem um presidente, até provas em contrário, subserviente, entreguista, tudo no mais fiel estilo da dupla deletéria de “FERNANDOS” presidentes, à qual se soma a figura mambembe de Luís Inácio, patriarca fundador do enclave separatista Raposa Serra do Sol.
*Coronel de infantaria e Estado-Maior

Skip to content