Arma e munição apreendida em Florianópolis — Foto: Reprodução/Polícia Militar

Militar teria apontado revólver para uma das vítimas na noite de terça-feira, na Praia dos Ingleses, em Florianópolis.

G1 SC
Um coronel reformado do Exército de 66 anos é suspeito de ter ameaçado um casal de mulheres e teve a arma apreendida na noite de terça-feira (8). O caso ocorreu num bar na Praia dos Ingleses, no Norte da Ilha, em Florianópolis. A Polícia Militar foi chamada pelas vítimas. Um boletim de ocorrência por ameaça foi registrado e a Polícia Civil disse que vai investigar o caso.
(Correção: o G1 havia informado anteriormente que o militar tinha sido conduzido à delegacia. A informação foi corrigida às 20h43)
O Exército confirmou que o coronel teve a arma retida, assinou um termo circunstanciado e foi liberado. O militar é do Rio de Janeiro e está a passeio na capital catarinense. O G1 não conseguiu contato com ele. No BO, a PM afirma que o oficial estava alcoolizado.

Relato
A gerente de cafeteria Raquel Teixeira da Silva, de 32 anos, conta que estava com a esposa, a massoterapeuta Thuany dos Santos Pereira, de 25 anos, em um bar na Praia dos Ingleses quando ocorreu o caso, por volta das 20h.
“Eu saio do trabalho e sempre costumo ir na mesma praia, no mesmo bar com a minha esposa. Fui ao mar pra me reenergizar e sentamos numa mesa. Daí vimos que o homem e um amigo começaram a cochichar até virar a câmera de celular para nós duas”, relata.
Segundo Raquel, o homem disse “olha, na era Bolsonaro, duas sapatas na praia” enquanto gravava as duas no celular. A fala também está descrita no BO da PM.
Raquel conta que se levantou e foi até a mesa do homem para tirar satisfação. “Falei que ele não tinha direito de fazer aquilo e que era para apagar o vídeo. Ele se alterou e falou que não aceitava “ser peitado por duas mulheres, ainda mais duas sapatonas”, conta.
Ainda de acordo com ela, o coronel disse que iria buscar uma arma. Ele teria ido até o carro em que estava e pegado uma sacola cinza. Quando voltou para mesa, a esposa de Raquel, Thuany, se aproximou dele.
“Ele puxou um pouco a sacola cinza e apareceu a arma dentro de uma sacola amarela. A arma ficou a dois passos de distância do peito dela”, lembra. Depois disso, ela puxou a companheira para a mesa e na sequência ligou para a PM, de dentro do bar.
“Ele virou a cadeira pro nosso lado e a gente já estava com muito medo. Ele dizia ‘pode ligar para a sua policinha’, e que a gente não ia sair viva dali”, lembra Raquel.

Boletim da PM
A PM foi até o local. Segundo o boletim de ocorrência da corporação, o homem foi identificado como coronel reformado do Exército que disse aos policiais que estava na praia filmando seu sobrinho, e disse: “olha duas sapatas na mesa”.
Em seguida, relatou aos policiais que uma das mulheres foi até a mesa e disse que chamaria a polícia. À PM, o homem negou que tenha ido até o carro, mas confirmou que estava armado e que tem porte de arma. Porém, negou ter apontado o revólver para o casal.
Foi feito um termo de apreensão da arma, que estava com cinco balas intactas, e um termo circunstanciado. Porém, inicialmente, o coronel não quis assinar este último documento. Foi chamado um capitão do 63º Batalhão de Infantaria, de Florianópolis, que conversou com ele, que persistiu na recusa, conforme o boletim. Somente após conversar por telefone com outro oficial do Exército o militar assinou os documentos.
O Chefe do Estado Maior da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, Coronel José Herculano Azambuja Júnior, foi quem conversou com o homem por telefone e orientou que ele seguisse os procedimentos da PM. Ele esclareceu que a polícia chama o oficial do dia do Exército em ocorrências envolvendo militares.
Azambuja também informou que o homem responderá ao caso na Justiça comum. “Depois que o militar é reformado, nossa alçada não atinge mais, é considerado cidadão comum. A gente só acompanha”, afirmou.
O revólver apreendido foi encaminhado à Brigada e só será devolvido após ser demonstrada toda a documentação da arma e porte, informou Azambuja.
Ainda segundo o boletim de ocorrência da PM, o homem a todo momento intimava os policiais, os filmou e dizia que mandaria o vídeo ao presidente da República, afirmando ser seu amigo íntimo. Disse também que os envolvidos se arrependeriam e que praticavam abuso de autoridade.

Permaneceu na praia
Segundo Raquel, o coronel permaneceu na praia após o caso e ainda teria zombado de duas mulheres policiais militares.
“E ele debochou o tempo todo. Quando chegaram duas policiais, inclusive uma capitão, ele continuou bebendo e rindo. Disse que elas não tinham autoridade, se não tinham bandidos para prender”, conta Raquel.
“A gente tá com bastante medo. Que se ele fez isso conosco, que apenas estavamos de mãos dadas, imagina o que ele pode fazer com outros homossexuais por aí? Ele estava muito alcoolizado. O que ajudou minha esposa a estar viva foi a nossa fé”, afirma.
G1/montedo.com

Skip to content