Escolha uma Página
Othon foi ’emissário’ do PT e PMDB para propina, diz ex-presidente da Gutierrez
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 22-03-2011, 11h00: Comissão conjunta de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e controle e de Serviços de Infraestrutura, e de Ciência e Tecnologia realizam audiência para discutir a segurança do programa nuclear brasileiro com o diretor-presidente da Eletrobrás Termonuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva ( careca, gravata vermelha e no canto direito da foto) (foto) e o diretor da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), Laércio Antônio Vinhas. . (Foto: Alan Marques/Folhapress, PODER)
MARCO ANTÔNIO MARTINS
DO RIO
Estadão Conteúdo
O ex-presidente da Eletronuclear, o almirante Othon Pinheiro da Silva atuou, desde 2005, como uma espécie de “emissário” do PT e do PMDB para o pagamento de propina da empreiteira Andrade Gutierrez nas obras da usina nuclear de Angra 3.
A informação foi prestada nesta segunda (25) pelo ex-presidente da companhia, Rogério Nora de Sá, em depoimento na 7ª Vara Federal Criminal do Rio.
Helton Pinto, advogado do almirante, disse que irá “se pronunciar sobre o assunto apenas no âmbito do processo, no momento necessário”.
“Ele [Othon] precisava definir um valor de auxílio político. Acertamos 1%”, disse Rogério Nora de Sá.
De acordo com os depoimentos na Justiça Federal, o PT receberia 1% da propina da obra e o PMDB outro 1%, sendo que no caso do partido, a propina ainda foi dividida em 0,5% para dois diferentes grupos dentro da legenda. Até agora nenhum dos depoimentos explicou qual seria esse valor exato em reais. Na Eletronuclear, contrato das obras foi de R$ 1,5 bi.
As informações dos executivos confirmam o depoimento de Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, em sua delação prestada à Justiça.
O ex-presidente da Eletronuclear, o almirante Othon Pinheiro da Silva, em imagem de 2011
Já Clovis Renato Peixoto, ex-diretor da Andrade Gutierrez, detalhou a informação explicando que para o pagamento de propina, o almirante Othon Pinheiro de Sá e os partidos políticos indicaram empresas para receberem o dinheiro. Contratos foram assinados, mas os serviços não foram realizados. O documento era apenas, de acordo com o depoimento, para justificar a saída do dinheiro do caixa.
A indicação das empresas era para pagar ainda um grupo de diretores da Eletronuclear. Nunca falei com políticos ou com o Othon sobre repactuação de contratos. Só recebia a informação que tinha que pagar. Nunca gostei muito de mexer com o dinheiro dos outros”, afirmou Peixoto, que fechou acordo de delação com o Ministério Público Federal.
Clóvis Peixoto disse ainda que o PT usou o dinheiro para o pagamento de campanhas políticas. Já o PMDB para quitar os gastos com campanhas ou lucrando com propinas.
Além disso, Peixoto lembrou ainda que o almirante Othon Pinheiro da Silva recebia de empresa mesadas de R$ 20 mil a R$ 30 mil, sem periodicidade definida, para seus “projetos pessoais”.
Essas doações começaram em 2005, logo depois do almirante assumir o cargo.
O almirante Othon Pinheiro da Silva cumpre pena em casa com tornozeleira eletrônica.
A Andrade Gutierrez não vai comentar o assunto.
Em outras ocasiões, o PMDB afirmou que não recebeu recursos ilícitos e jamais autorizou qualquer pessoa a usar o nome da legenda. Já o PT disse que todas as doações foram legais e declaradas à Justiça eleitoral.
UOL/montedo.com

Skip to content