Escolha uma Página
Yago Gonçalves tinha mandado de prisão expedido por latrocínio.
Monique Sant’Anna, 23, foi morta quando saía de casa no início do mês.

Do G1 Rio
Foi preso na terça-feira (16) o terceiro suspeito de matar a modelo e cabo da Marinha Monique Sant’Anna dos Santos Nascimento, de 23 anos, no início do mês em Cascadura, Subúrbio do Rio. Yago Gonçalves dos Santos, conhecido como “Yago Muay Thai” tinha mandado de prisão expedido por latrocínio.
Há menos de uma semana, na madrugada de sexta (12), outros dois suspeitos de participarem da tentativa de assalto à militar foram detidos. O crime ocorreu na noite de quinta-feira (4), quando a vítima saía de casa. Ela ia viajar com as amigas e estava guardando as malas no carro quando o assalto foi anunciado. Monique foi baleada no peito e socorrida no Hospital Salgado Filho, no Méier, no Subúrbio, onde morreu. Segundo a Polícia Civil, os criminosos fugiram sem levar nada.

Leia também:

Cabo da Marinha é morta em tentativa de assalto no RJ

Rotina macabra: em uma semana, três militares das Forças Armadas morreram baleados no RJ

Pai de cabo da Marinha morta em assalto no Rio vai processar o Estado

“Identificamos os dois indivíduos, o Richard de Andrade Brito, de 25 anos, e o Iago Lima da Silva, de 20 anos, e conseguimos a prisão temporária deles, no plantão judiciário. Os dois vão responder pelo latrocínio contra a Monique”, disse o delegado Fábio Cardoso, da Divisão de Homicídios.
Um deles, segundo o delegado foi preso em casa, em Marechal Hermes, no Subúrbio. O outro sabia que estava sendo procurado, e estava sendo acobertado pela família. A polícia já tinha ido algumas vezes à casa dele, mas não o encontrava.
“Os agentes estavam chegando ao plantão judiciário para pegar os mandados de prisão e o Richard estava chegando com a família para procurar orientações com a Defensoria Pública. A equipe que estava no fórum prendeu ele ali, dentro do fórum mesmo”, contou o delegado.
Em nota, a Marinha informou que Monique era técnica em prótese e entrou para o quadro temporário da Marinha em novembro de 2013. “A Marinha presta apoio aos familiares dos militares em qualquer circunstância de morte, estando ou não a serviço no momento”, destacou o comunicado.
G1/montedo.com
Skip to content