Escolha uma Página
Cheiro de bravata
Lauro Jardim
A Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro enviou um ofício ao Exército para saber o tipo de trabalho que o carioca Luan Patrício, participante do Big Brother Brasil 15, exerceu durante a ocupação do Complexo do Alemão, em 2010.
Na semana passada, Luan contou no programa que teria matado um jovem de dezesseis anos quando integrava 8º Grupo de Artilharia que ocupou as favelas da região, o que provocou uma imediata abertura de investigação (leia mais aqui).

Leia também:

BBB afirma ter matado jovem com tiro na cabeça no Alemão, quando era soldado do Exército.

Fanfarrão! Exército nega que Luan, do BBB 15, tenha atuado em operação no Alemão.

Apesar de Exército negar participação de Luan, polícia irá entrar na casa do ‘BBB’.

Mas, aparentemente, Luan quis ganhar mais holofotes em seus quinze minutos de fama.
A Polícia chegou a se preparar para entrar na casa onde é gravado o programa para interrogar Luan, mas a resposta dos militares esfriou o assunto.
Segundo o Exército, Luan participou apenas de apoio logístico da operação, sem fazer incursões na favela. Para os investigadores, a história tem um cheiro óbvio de bravata. A Delegacia de Homicídios, então, decidiu que o depoimento de Luan será colhido assim que ele pisar fora da casa.
Radar on-line (Veja)/montedo.com

Skip to content