Escolha uma Página
Páginas do comando militar dos EUA são hackeadas
Contas no Twitter e no YouTube foram invadidas por ‘cibercalifado’. Aparentemente, nenhuma informação sensível foi divulgada
Página do Comando Central dos Estados Unidos no Twitter foi hackeada
Página do Comando Central dos Estados Unidos no Twitter foi hackeada (AP/AP)
A conta do Twitter do Comando Central do Exército americano foi invadida por um grupo que afirma atuar em nome do Estado Islâmico. Uma mensagem publicada no perfil afirma: “soldados americanos, estamos chegando, cuidado”. A conta no YouTube também foi hackeada e vídeos de propaganda do grupo terrorista foram publicados.
Os hackers também postaram documentos do Exército e uma lista com nomes e números de telefone de militares graduados. Outros posts anunciavam: “Redes do Pentágono hackeadas! Cenários para a China” e “Cenários para a Coreia”.
Apesar da aparente brecha na segurança, as informações divulgadas pelos hackers não eram confidenciais e muitas já estavam disponíveis na internet. Dois oficiais da Defesa americana, que não quiseram se identificar, disseram à agência de notícias Reuters que a invasão é um constrangimento para os Estados Unidos, mas não parece ter significado uma ameaça à segurança.
O título da página no Twitter foi mudado para ‘Cibercalifado’, seguido da frase “eu amo você Isis” – sigla em inglês para o nome original do grupo terrorista Estado Islâmico do Iraque e da Síria. As páginas foram retiradas do ar pouco depois.
“Podemos confirmar que as contas do Comando Central dos Estados Unidos no Twitter e no YouTube foram comprometidas hoje. Estamos tomando as medidas necessárias para lidar com a questão”, disse um oficial à imprensa americana.
A Casa Branca informou que está monitorando a extensão do incidente, que ocorreu no momento em que o presidente Barack Obama prepara um discurso no qual deve enfatizar propostas para proteger os Estados Unidos de ciberataques.
O Comando Central está baseado na Base MacDill da Força Aérea, na Flórida, e cuida das operações militares americanas no Oriente Médio e na Ásia Central. O comando supervisionou as guerras no Iraque e no Afeganistão e está no controle dos bombardeios da coalizão internacional contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria.
Veja/montedo.com
Skip to content