Escolha uma Página
General critica inclusão do pai em lista da Comissão da Verdade
Leo Guedes Etchegoyen, já morto, é acusado de violações durante ditadura.
Na nota, família diz que afirmações sobre o general são levianas.
General Etchegoyen (Foto: Sargento Fabro/EASA)
Do G1, em São Paulo
A família do general Leo Guedes Etchegoyen, morto em 2003, protestou contra a inclusão do nome dele na lista de 377 agentes do Estado considerados responsáveis por crimes na época da ditadura. Em nota, a família do militar afirmou que as conclusões da Comissão Nacional da Verdade, divulgadas nesta quarta (10), têm o propósito de “puramente denegrir”.
O texto é assinado pela viúva de Etchegoyen e cinco filhos, entre eles Sergio Westphalen Etchegoyen, general da ativa do Exército brasileiro.
A comissão é criticada na nota por não ter contactado a família a respeito das acusações.
“Ao apresentar seu nome, acompanhado de apenas três das muitas funções que desempenhou a serviço do Brasil, sem qualquer vinculação a fatos ou vítimas, os integrantes da CNV deixaram clara a natureza leviana de suas investigações.”
Funções desempenhadas
O G1 entrou em contato com o general Sergio Westphalen Etchegoyen para saber se houve reação dentro das Forças Armadas quanto ao seu posicionamento público, mas ainda não obteve resposta.
Na lista divulgada pela comissão, é citado funções desempenhadas por Leo Guedes Etchegoyen: “General de brigada. Secretário de Estado de Segurança Pública do Rio Grande do Sul de novembro de 1964 a fevereiro de 1965. Foi chefe do Estado-Maior do II Exército de agosto de 1979 a julho de 1981. Assumiu a chefia do Estado-Maior do III Exército em agosto de 1982”.
Leia abaixo a nota assinada pela família do general Etchegoyen:
A comissão nacional da verdade (CNV) divulgou ontem seu relatório final, onde relaciona 377 nomes sob a qualificação de “autores de graves violações de direitos humanos”. Nela consta o nome de Leo Guedes Etchegoyen.
Sobre o fato, nós, viúva e filhos, manifestamos a nossa opinião.
Jamais fomos contatados por qualquer integrante ou representante daquela comissão, nem o Exército recebeu qualquer solicitação de informações ou documentos acerca de Leo G. Etchegoyen.
Ao apresentar seu nome, acompanhado de apenas três das muitas funções que desempenhou a serviço do Brasil, sem qualquer vinculação a fatos ou vítimas, os integrantes da CNV deixaram clara a natureza leviana de suas investigações e explicitaram o propósito de seu trabalho, qual seja o de puramente denegrir.
Ao investirem contra um cidadão já falecido, sem qualquer possibilidade de defesa, instituíram a covardia como norma e a perversidade como técnica acusatória.
No seu patético esforço para reescrever a história, a CNV apontou um culpado para um crime que não identifica, sem qualquer respeito aos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa.
Leo Guedes Etchegoyen representa a segunda geração de uma família de generais que serve o Brasil, com retidão e patriotismo, há 96 anos.
Seguiremos defendendo sua honrada memória e responsabilizando os levianos que a atacarem.
Porto Alegre, RS , 11 de dezembro de 2014
Lucia Westphalen Etchegoyen, viúva
Sergio Westphalen Etchegoyen, filho
Maria Lucia Etchegoyen Orlandi, filha
Alcides Luiz Westphalen Etchegoyen, filho
Marcos Westphalen Etchegoyen, filho
Roberto Westphalen Etchegoyen, filho
Skip to content