Escolha uma Página
Josias de Souza
O soldado do Exército Danilo Marques foi assaltado numa das guaritas da Granja do Torto, o imóvel que os presidentes da República utilizam como casa de campo em Brasília. Deu-se na madrugada de terça-feira. O caso foi registrado na Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos da Polícia Civil da Capital como uma ocorrência de roubo. Três homens armados renderam o sentinela, fizeram-no refém por uma hora e meia e levaram uma espingarda calibre 12. O Batalhão da Guarda Presidencial (BGP) também abriu inquérito.
Os repórteres Kelly Almeida e Breno Fortes tiveram acesso à ocorrência policial. O documento registra a versão do soldado. Ele disse ter notado um “barulho no matagal”, às 3h30 de terça. Quando foi verificar o que se passava, teria sido surpreendido por três homens armados e encapuzados. Nessa versão, antes de fugir com a espingarda, os assaltantes mantiveram o soldado como refém até as 5h.
Ouvido, o coronel Gilberto Breviliere, assessor de comunicação do Comando Militar do Planalto, confirmou o roubo da espingarda. O soldado foi afastado de suas funções. Por ora, ninguém foi preso. Segundo Breviliere, a segurança da residência presidencial não foi comprometida. “Não podemos divulgar a quantidade de militares que temos lá, mas a segurança foi reforçada. O soldado está afastado para averiguações, para se sentir melhor e até se lembrar de tudo o que aconteceu.”
Sob Lula, a Granja do Torto costumava ser usada para reuniões ministeriais, festas juninas, churrascos e partidas de futebol com assessores e amigos do presidente. Dilma gosta de visitar o local, a cerca de 13 km do Planalto, na companhia do neto, Gabriel. Em julho, a presidente cedeu a residência para o presidente de Cuba, Raúl Castro, em visita oficial ao Brasil.
UOL Notícias/montedo.com
Skip to content