Escolha uma Página
Kombi ficou com as rodas para cima, mas ocupantes não tiveram ferimentos graves. (Foto: Marcos Ermínio)
Kombi ficou com as rodas para cima, mas ocupantes não tiveram ferimentos graves. (Foto: Marcos Ermínio)
Alan Diógenes
Campo Grande (MS) – Colisão envolvendo dois veículos, por volta das 17h30 desta terça-feira (4), no cruzamento das ruas 13 de Junho com a Eduardo Santos Pereira, ocasionou no capotamento de uma Volkswagen Kombi do Exército Brasileiro. Uma pessoa ficou ferida e teve que ser encaminhada para receber atendimento médico.
Conforme informações de testemunhas, a assistente social Cleusa de Castro, 60 anos, que conduzia o Nissan March, de cor prata, não respeitou a parada obrigatória e colidiu com a Kombi, que capotou duas vezes e ficou com as rodas para cima. A frente do March ficou destruída e Cleusa foi encaminhada com ferimentos leves pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro Coronel Antonino.
Já o rapaz que conduzia a Kombi do Exército não quis se identificar, mas disse que estava a 40 quilômetros por hora e não conseguiu evitar o acidente. Ele sofreu sofreu pequenas escoriações no braço esquerdo e não precisou de atendimento médico.
Segundo o sargento do Exército Brasileiro, Joel Rodigues Oliveira, 50 anos, que também estava na Kombi, a condutora do veículo foi quem provocou a colisão. “Ela invadiu a preferencial e o menino tentou evitar o acidente, mas não conseguiu”, explicou.
A pecuarista Jacira Barros, 70 anos, que mora em frente ao cruzamento, disse que com a transformação das vias em mãos únicas, os motoristas acabam abusando da velocidade. “A mulher estava descendo e não deve ter visto a sinalização de parada obrigatória. Eles começaram a correr muito por aqui depois que virou mão única. É por isso que os acidentes acontecem”, comentou.
Dois militares do Bptran (Batalhão de Polícia Militar de Trânsito) foram deslocados para o local do acidente, mas liberaram o veículo March, por que o documento estava em dia e a condutora tinha CNH ( Carteira Nacional de Habilitação).
Já a Kombi teve que permanecer no local, por que a perícia técnica do Exército Brasileiro estava chegando no local para fazer a liberação do veículo.
O trânsito fluiu lento no local, mas aos poucos a situação foi se normalizando.
Campo Grande News/montedo.com
Skip to content