Escolha uma Página
‘Que comece a prova! Ao vivo’, teria escrito aluno em grupo do Facebook.
Em nota, Marinha afirmou que instaurou procedimento para apurar denúncias.

Do G1 Rio
Alunos relatam descaso dos fiscais (Foto: Reprodução / Facebook)

Alunos relatam descaso dos fiscais (Foto:

Reprodução / Facebook)
O processo seletivo de admissão na Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante no Rio (Efomm), que foi realizado no último sábado (16) e domingo (17), teria apresentado irregularidades, de acordo com mensagens postadas nas redes sociais por candidatos. Um aluno que teria feito o exame, chegou a postar fotos durante a prova em um grupo fechado no Facebook. “Que comece a prova! Ao vivo”, escreveu.
Em nota, a Marinha informou ao G1 na segunda-feira (18) que, por intermédio do Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (Ciaga), instaurou um procedimento administrativo para apurar denúncias de supostas irregularidades que teriam ocorrido durante o processo seletivo.
Aparelhos celulares, câmeras fotográficas e outras formas de comunicação não são permitidos durante o exame, de acordo com o edital do concurso. Trechos do edital determinam que “durante a realização das provas não será permitido o porte e/ou uso de aparelhos sonoros, fotográficos, de comunicação ou registro(…)” e que “será vedada a consulta a qualquer material durante a realização das provas, assim como será proibido copiar ou fotografar os conteúdos”.
Diversos alunos também fizeram críticas aos fiscais, que não acompanhavam candidatos no caminho até o banheiro. Além disso, também há registros de pessoas que fizeram a prova utilizando fones de ouvido. Os exames foram realizados na Penha e em Olaria, Zona Norte do Rio.
“O mais absurdo foi gente colando no banheiro, fiscal dormindo no banheiro, gente com celular, estojo em cima da mesa…”, postou um candidato.
Denúncia pública
No próprio sábado (16), a funcionária pública Andréia Balduíno, mãe de um aluno que não conseguiu realizar a prova por ter levado um documento de habilitação vencido no lugar da identidade, fez uma denúncia pública ao Ministério Público para registrar as irregularidades. Ela afirma que o filho chegou a passar na primeira triagem de documentos e só foi avisado que seu documento não era válido quando já estava dentro da sala onde a prova seria realizada.
“Deveriam ter avisado que o documento não era válido enquanto havia tempo de ele buscar o outro, que estava dentro do carro. Ele acabou perdendo a prova. No edital da Marinha vem escrito que você não pode portar celular. Da mesma forma que você posta, você pode mandar a foto pra um professor e ele te dar as repostas. Nesse grupo fechado no Facebook têm inúmeros candidatos fazendo denúncia que não havia fiscalização, que as repostas da prova estavam em negrito. Quero pedir a anulação dessa prova”, afirmou.
Veja a nota completa da Marinha:

A Marinha do Brasil (MB), por intermédio do Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (CIAGA), informa que instaurou, hoje, um competente procedimento administrativo para apurar denúncias de supostas irregularidades que teriam ocorrido durante o Processo Seletivo às Escolas de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM), realizado nos dias 16 e 17 de agosto de 2014.
Com o objetivo de assegurar o interesse público, a isonomia entre os candidatos e a integridade do certame, a MB reitera seu compromisso com a ética e a transparência nos processos seletivos realizados pela Instituição.

G1/montedo.com
Skip to content