Escolha uma Página
ORÇAMENTO DO KC-390 TEM DÉFICIT DE R$ 480 MILHÕES
Virginia SIlveira
O orçamento do programa de desenvolvimento do jato de transporte militar KC-390 acumula um déficit de R$ 480 milhões. O valor, segundo o presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (Copac), brigadeiro José Augusto Crepaldi, é resultado do atraso na liberação de recursos para o projeto desde fevereiro de 2013.
A Embraer e a Força Aérea Brasileira (FAB) fizeram um pedido formal de suplementação orçamentária para o projeto, no valor de R$ 480 milhões. Os recursos, segundo o brigadeiro são necessários para finalizar o desenvolvimento de dois protótipos do KC-390.
“Apesar do atraso na liberação de recursos, o projeto está dentro do cronograma e a programação do primeiro voo, prevista para o fim de outubro deste ano, não será afetada”, ressaltou o presidente da Copac.
O Valor apurou que o orçamento aprovado para o programa da aeronave este ano, no valor de R$ 950 milhões, está contingenciado. Uma parte desse montante foi liberada recentemente.
Os recursos suplementares, segundo a Copac, deverão ser repassados via PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), responsável pelo financiamento do KC-390 desde o ano passado. “Já aconteceram alguns remanejamentos de recursos dentro do PAC, mas o KC-390 não foi contemplado. Até o momento, não existe nada assegurado”, disse um assessor da Copac.
O KC-390 é o maior avião construído pela indústria aeronáutica brasileira e estabelecerá um novo padrão para aeronaves de transporte militar de médio porte em termos de desempenho e capacidade de carga, da ordem de 23 toneladas. Estudo de mercado feito pela Embraer indica um potencial de vendas de 728 unidades para 77 países, o que representa negócios da ordem de US$ 50 bilhões nos próximos dez anos.
Outro programa da Embraer Defesa & Segurança que também está sendo afetado pelo contingenciamento de recursos do orçamento é o da modernização do caça AMX, projeto com custo total de R$ 1,3 bilhão. Segundo a Embraer, três aeronaves já foram entregues para a FAB. O cronograma de entregas será concluído em 2017.
Assim como o KC-390, o programa de modernização do AMX também poderá ser incluído no PAC. Segundo fontes do setor de defesa, uma proposta de ingresso do projeto no PAC já está sendo avaliada pelo governo.
O programa do AMX recebeu, este ano, R$ 94 milhões. Mas para que os trabalhos sejam feitos, de acordo com o cronograma, ele precisaria de R$ 300 milhões. Os recursos também fazem parte de um pedido de verba suplementar que já está sendo avaliado pelo governo.
Avião de ataque ar-superfície, o AMX é a principal ferramenta de dissuasão da FAB, utilizado em missões de interdição, apoio aéreo e reconhecimento. Com a modernização, a FAB pretende ampliar sua capacidade operacional e de sobrevivência em ambientes hostis em aproximadamente 20 anos.
Valor Econômico, via Poder Aéreo/montedo.com
Skip to content