Escolha uma Página
Amorim espera recuperar recursos
Amorim lembrou que as Forças Armadas têm missões importantes a cumprir e que não pode deixar de ter os recursos necessários
Celso Amorim participou da solenidade da FEB (Foto: ABr)
O ministro da Defesa, Celso Amorim, disse hoje (21) que espera recuperar pelo menos parte dos recursos cortados pelo governo na sua pasta. Segundo ele, o contingenciamento de R$ 3,5 bilhões do orçamento da pasta em 2014 não afetará “nenhum dos grandes projetos” previstos, como a compra de 36 caças supersônicos da Suécia. O bloqueio da verba está incluída na redução de R$ 44 bilhões do Orçamento, anunciado ontem (20) pelo governo federal.
“É claro que cortes como esse sempre preocupam, mas temos que reconhecer as dificuldades que o país enfrenta e a necessidade de um ajuste fiscal. Entretanto, acredito que ao longo do ano possamos recuperar parte do que está sendo cortado”, disse o ministro Celso Amorim, após participar, pela manhã, da solenidade comemorativa dos 69 anos da tomada aos alemães do Monte Castelo, na Itália, pela Força Expedicionária Brasileira (FEB), durante a 2ª Guerra Mundial.
A solenidade ocorreu no Quartel da Polícia do Exército, no Setor Militar Urbano de Brasília, com desfile da tropa e a participação de ex-combatentes que lutaram na batalha de Monte Castelo, como o coronel Nestor da Silva, de 96 anos.

Leia também:
R$ 3,5 bi: Defesa teve maior corte de gastos entre os ministérios.

Amorim lembrou que as Forças Armadas têm missões importantes a cumprir e que não pode deixar de ter os recursos necessários. Ele citou como exemplo a ação do Exército, no Sul da Bahia (em Olivença), nos conflitos entre fazendeiros e índios, e durante a Copa do Mundo, nos meses de junho e julho.
O Ministério da Defesa foi o que teve o maior corte de verbas orçamentárias entre os demais. A compra de 36 caças supersônicos Gripen da Suécia não será prejudicada porque os recursos necessários não serão desembolsados este ano.
AGÊNCIA BRASIL/montedo.com
Skip to content