Escolha uma Página
Soldado fala ao celular dentro da viatura da PM, enquanto aguarda ser encaminhado ao Exército. (Foto: Arquivo Pessoal/Kleverton Amorim)
Soldado fala ao celular dentro da viatura da PM,
enquanto aguarda ser encaminhado ao Exército.
(Foto: Arquivo Pessoal/Kleverton Amorim)
Polícia apreende soldado do Exército com droga a caminho do Trapichão
Suspeito levava maconha em um ônibus com outros 40 torcedores do CSA.
Coletivo foi interceptado pela PM e suspeitos encaminhados à Central.

Do G1 AL
A Polícia Militar (PM) apreendeu, na tarde deste domingo (19), um soldado do Exército Brasileiro identificado como Geraldo Ferreira Neto, de 19 anos, por porte de drogas. O suspeito estava em um ônibus que fazia a linha Graciliano Ramos/Centro com cerca de outros 40 torcedores do CSA que se dirigiam para o Estádio Rei Pelé, no bairro do Trapiche, entre eles 19 são adolescentes.
De acordo com a PM, os torcedores do CSA estavam depredando o coletivo, quando foram interceptados pela PM, que viu a baderna quando o veículo passou pela viatura, no Tabuleiro do Martins.
Após a revista, os militares encontraram duas bombinhas de maconha no chão do ônibus, mas nenhum suspeito assumiu de quem era a droga. Durante a revista ao soldado do Exército, os policiais encontraram outras duas bombinhas de maconha dentro da carteira de cigarros dele. De acordo com a PM, o soldado Neto admitiu que a droga era dele. O Exército confirma que o suspeito faz parte da corporação, mas não informou qual procedimento será tomado a partir da ocorrência.
Todos os suspeitos foram encaminhados à Central de Flagrantes, no bairro do Farol, onde seria registrado um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). O soldado foi encaminhado ao 59º Batalhão de Infantaria Motirizada (59º BIMtz), na Av. Fernandes Lima.
O motorista do coletivo José Armando da Silva disse que é comum esse tipo de situação em dias de jogos. “Hoje, como sabia que tinha jogo do CSA, já imaginava a bagunça que seria. Por iso pedi para mudar de linha e peguei essa que não passava pelo estádio. Esses marginais subiram no terminal de ônibus do Graciliano Ramos e desde lá vieram fazendo baderna”.
De acordo com Silva, outros passageros subiram no coletivo, mas não chegaram a passar pelo cobrador, com medo da bagunça que os vândalos faziam dentro do ônibus. “Eles batiam o tempo todo nas cadeiras e nas janelas, quebraram até o teto, ficavam balançando o ônibus como se quisesses virá-lo. Isso sempre acontece”, lamenta.
G1/montedo.com
Skip to content