Escolha uma Página

Soldado desmaia durante recepção a François Hollande, em Brasília

Soldado da Guarda de Honra é atendido após desmaiar antes da chegada do presidente da França, François Hollande, ao Palácio do Planalto. Brasília tem dia de calor intenso.Evaristo Sa/AFP (Reprodução do G1)

TAI NALON, FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA
Enquanto a solenidade de recepção no Palácio do Planalto do presidente francês François Hollande não começava, um dos soldados que faz a guarda da sede do governo desmaiou por volta das 11h10 desta quinta-feira (12).
Ele ficava na parte externa do palácio, na rampa que dá acesso ao salão nobre, e sofreu uma queda por conta de uma indisposição. Ele foi levado desacordado para o serviço médico do Planalto e depois para o Hospital das Forças Armadas de Brasília desacordado e machucado. Ele sofreu uma lesão no queixo decorrente da queda. Havia sangue em sua farda.
Segundo o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, ele passa bem e está em observação. O GSI informou também que os soldados, que fazem parte do grupamento dos Dragões da Independência, como o que passou mal hoje, são substituídos a cada duas horas de suas funções, que, geralmente, envolvem permanecer de pé sob sol e chuva em Brasília para fazer a guarda do Planalto.
Por volta das 12h15 desta quinta, a presidente Dilma Rousseff já estava reunida com seu homólogo francês em reunião bilateral.
VISITA
A visita de Hollande ao Brasil terá a pauta econômica como protagonista. Entre os assuntos que devem ser discutidos com a presidente Dilma Rousseff estão, por exemplo, a oferta de caças franceses para a Aeronáutica, o acordo entre Mercosul e União Europeia para criação de área de livre-comércio e a situação econômica dos países do bloco europeu.
A visita de Estado acontece um ano depois de a presidente Dilma ter encontrado seu homólogo em Paris. Na ocasião, ela afirmou que a compra dos caças estava suspensa devido à crise econômica.
Segundo fontes do governo, a barreira para a compra dos aviões Rafale, fabricados pela francesa Dassault, está no preço da oferta, já que o Brasil tem um histórico positivo com o país europeu quando a questão é a transferência de tecnologia.
Em 2009, França e Brasil assinaram acordo militar para construção no país, com tecnologia francesa, de base, estaleiro, quatro submarinos convencionais e um de propulsão nuclear.
Entre os acordos a serem assinados durante a visita está o de lançamento do programa Francês sem Fronteiras, a criação de um fórum econômico entre os dois países, além de acordo para produção de vacina infantil heptavalente no Brasil.
Folha de São Paulo/montedo.com
Skip to content