Escolha uma Página
Entrega de espadas oficializa formação de 406 cadetes da Aman
Cerimônia aconteceu no Pátio Tenente Moura, na sede da Aman, no sábado
FOTO: THAÍSA NOGUEIRA
Resende (RJ) – Após a entrega de espadas na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), a passagem dos 406 novos aspirantes foi marcada pela saída simbólica no Portão Monumental. A cerimônia de Declaração a Aspirantes a Oficial dos integrantes da Turma General Carlos de Meira Mattos aconteceu no sábado, no Pátio Tenente Moura, na sede da Aman, com a presença ilustre do ministro de Estado da Defesa, Celso Luiz Nunes Amorim. Dos 406 cadetes formandos, 396 são brasileiros – sendo nove naturais de Resende – e 10 provenientes de nações amigas – cinco de Moçambique, um de El Salvador, um de São Tomé e Príncipe, um de Cabo Verde, um do Peru e um da Bolívia.
Na tarde de sexta-feira, dia 29, os cadetes participaram de cultos religiosos no Auditório General Médici, na Biblioteca Coronel Nei Paulo Panizzutti e no Foyer Inferior do Teatro. A colação de grau foi realizada no mesmo dia, no Teatro Acadêmico. Às 8h30min de sábado, houve a Restituição dos Espadins e Passagem do Estandarte do Corpo de Cadetes, no Pátio Tenente Moura. Por volta de 10 horas, a mais alta autoridade, ministro Celso Amorim, foi recepcionada pela Escolta, Salva e Guarda de Honra, nas Avenidas Duque de Caxias e do Exército.
Além de Amorim, participaram da solenidade de Entrega de Espadas e Declaração de Aspirante a Oficial, que teve início às 11 horas: os comandantes do Exército, Aeronáutica e Marinha, o General de Exército Enzo Martins Peri, o Tenente-brigadeiro do Ar Juniti Saito e o Almirante de Esquadra Júlio Soares de Moura Neto, respectivamente; o comandante da Aman, General de Brigada Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva; o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ); e o prefeito José Rechuan Júnior e a primeira-dama Ana Paula Rechuan; entre outros convidados e autoridades.
A CERIMÔNIA
Em seu discurso, o General de Brigada Tomás se despediu da turma com elogios e mensagens de confiança. “Na última conversa, nós concluímos que a tarefa de liderar homens, em tempos tão modernos e complexos, consiste em manter os valores legados pelos nossos antecessores, adaptados e comunicados de maneiras criativa e flexível a uma nova geração de soldados. Foram cinco anos de entrega total ao ideal de tornar-se oficial combatente do Exército, entre desafios sucessivos, paciência, coragem e superação. A Aman é uma das mais importantes e difíceis academias militares do mundo. O patrono da turma, General Meira Mattos, construiu sua carreira de infante e intelectual nas adversidades. Jovens aspirantes, recebam a espada da justiça, símbolo da honra e da devoção do oficial das nossas Forças Armadas! Guardem dentro do peito a paixão que os fez soldados! Nesse mundo cada vez mais complexo e difuso – onde as ameaças são mais previsíveis, fortifiquem-se com as ferramentas que lhes incutimos na alma – verdade, lealdade, probidade, responsabilidade, fé e coragem. A tropa será sua escola e os pelotões e seções suas famílias!”, declarou o comandante.
Durante a cerimônia, o primeiro colocado da turma, o cadete de infantaria Guilherme Pereira Calixto, 22 anos, natural de Juiz de Fora, Minas Gerais, recebeu a espada do ministro Celso Amorim. Ele ainda foi homenageado com a Medalha Marechal Hermes, entregue pelo General de Exército Enzo. “É um momento muito especial na minha vida! Após cinco anos de dificuldades, eu só tenho a dizer que o mais importante é colocar Deus em primeiro lugar, antes do esforço e da dedicação. Desta forma, as conquistas acontecem naturalmente em nossas vidas!”, frisou o aspirante – que é evangélico – rodeado de familiares e amigos.
Celso Amorim ainda fez suas considerações e parabenizou a turma. “Esta formação militar não se encerra agora, pois é contínua. A técnica e os valores cultivados – cidadania, lealdade, espírito de hierarquia e disciplina – são preparações para os novos desafios como oficiais. O Brasil é um país bastante requisitado, tendo como exemplos, as missões de paz no Haiti e no Líbano. Vivemos em uma região de paz, mas devemos estar atentos para a soberania da pátria. Quero lembrar que a política e a diplomacia visam o bom relacionamento com as demais nações. Em um Estado Democrático, devemos ampliar o campo de ação intelectual. Uma das questões técnicas é a cibernética. Parabéns a todos, pelo sacrifício e devoção ao Estado!”, frisou. Em coletiva à imprensa, o ministro reafirmou a importância da cibernética na formação dos oficiais, relacionando-a aos últimos episódios de espionagem. “A espionagem é um fato, uma verdade! A cibernética é uma ferramenta perigosa com ataque direto à soberania de um país. Pode afetar uma nação e ser um dos teatros de uma guerra! Por isso, os militares devem estar preparados com disciplina, devoção ao Estado e formação tecnológica, assim como civis e empresas atuantes no ramo”, reforçou.
O evento foi encerrado com o ato simbólico da saída dos novos aspirantes pelo Portão Monumental. Às 22 horas de sábado, houve o Baile da Espada.
A Voz da Cidade/montedo.com
Skip to content